Eu odeio o PT

foraptJosé Genoíno, ao ser levado preso, gritou com os punhos cerrados: “Viva o PT!”

Pois eu digo, com toda a sinceridade: eu odeio o PT.

Eu odeio o PT porque é um partido que representa o que há de pior na política elevado à décima potência: político do PT rouba para perpetuar o partido no poder, e mesmo quando condenado não admite a culpa, mas tem coragem de inventar teorias conspiratórias absurdas para se justificar, esquecendo-se de que a explicação mais simples é sempre a que tem a maior probabilidade de ser verdadeira.

Eu odeio o PT porque é o partido que nos deu Lula, Dilma, Dirceu, Genoíno, Delúbio, Marco Aurélio Garcia, Ruy Falcão e outros canalhas imorais, criminosos e vilões da república das bananas do Brasil.

Eu odeio o PT porque tudo o que sai de seus quadros de políticos, e toda a sua ideologia, vai de encontro a tudo o que eu mais prezo e admiro no mundo – não há sequer uma iniciativa, ideia ou proposta que essa agremiação de psicopatas tenha criado que seja boa para os brasileiros, pois quando algo parece bom, ainda que a olhos ingênuos, carrega consigo uma vasta lista de subprodutos propositais que servem aos propósitos mais maquiavélicos e diabólicos.

Eu odeio o PT porque eu amo a liberdade, e PT e liberdade não podem existir juntos.

Eu odeio o PT porque eu sou a favor da vida, e o PT prega o assassinato de bebês, defende os “direitos” dos bandidos e assassinos e tem parte com as organizações de narcotraficantes mais perniciosas do continente, como as FARC e o PCC.

Eu odeio o PT porque creio que a educação intelectual que fomenta o pensamento crítico e criativo é a melhor ferramenta para livrar as pessoas da doutrinação ideológica, justamente o contrário do que o PT faz, que é pegar nossas crianças e torná-las, desde muito jovens, dependentes de alguém que lhes diga o que pensar e em que acreditar.

Eu odeio o PT porque aprendi que deveria amar a verdade e a odiar e combater toda a mentira, e o PT é uma grande mentira, talvez a maior que já tenha sido contada aos brasileiros em toda a sua história.

Eu odeio o PT porque é um partido que idolatra assassinos como Fidel Castro, Stálin, Lênin, Che Guevara e Mao Tsé-Tung, chegando ao ponto de dizer que os milhões de mortos deixados por esses psicopatas são um mal necessário para a causa que defendem.

Eu odeio o PT porque em suas bandeiras só se vê o culto à mediocridade e o desprezo ao talento, a recompensa ao crime e o ódio à virtude, e a personificação da vitória da ignorância nos dois presidentes mais incompetentes da história brasileira, Lula e Dilma.

Resumindo bem, EU ODEIO O PT.

A idiota útil do momento – Luisa Mell

Ontem, antes de dormir, li duas notícias que deixam claro o nível de imbecilidade e de retrocesso que estamos vivendo no Brasil. A primeira informa que o Instituto Royal, aquele dos beagles, vai fechar, por conta do ambiente hostil e de insegurança para suas pesquisas (veja notícia dO Globo). Quem acompanhou o caso viu uma personagem que tentou se destacar e ganhar visibilidade, a idiota útil do momento, Luisa Mell. O que me leva à segunda notícia que li, de que a tal idiota útil filiou-se ao PMDB três semanas antes dos acontecimentos com os beagles do Instituto Royal (veja notícia do R7).

Puxa, que coincidência, não é? O Instituto Royal vinha fazendo pesquisas com animais há anos, sem ninguém aparecer por lá para atrapalhá-los. Aí uma artista de segunda classe com um projeto político resolve que vai se candidatar a um cargo eletivo, filia-se a um partido, e três semanas depois essa mesma pessoa está lá, liderando uma marcha de zumbis tupiniquins a serviço da agenda esquerdista. Não, isso não é coincidência, por mais que a própria Luisa Mell tente mentir, quando diz que “Não pretendo me candidatar. Mas as grandes vitórias que eu tenho estão na política. A gente não muda um país sem ajuda dos políticos”. Na verdade, quando ela diz isso está repetindo o comportamento de todos os esquerdistas brasileiros: mentir com a certeza de que ninguém se lembrará, e caso alguém se lembre basta se justificar dizendo que as circunstâncias mudaram, e que o momento pede uma decisão diferente. Se você não consegue lembrar de exemplos, aqui vão dois: Lula demonizava Sarney, Maluf e Collor e agora os abraça e os afaga, e Serra dizia que não deixaria a prefeitura para concorrer a governador, e fez exatamente isso. Enfim, a esquerda é mentirosa desde o seu princípio.

Se eu tivesse saído da minha casa para ir atrás dessa Luisa Mell e depois descobrisse que foi tudo uma manobra para ganhar espaço na mídia e visibilidade eleitoral, eu ficaria muito bravo. Me sentiria um idiota, um bocó que foi usado para o plano de poder de outrem. Mas é claro que os idiotas úteis que seguiram a idiota-útil-mor não pensam assim, pelo simples fato de que o brasileiro tem sido sistematicamente educado para não pensar, mas para seguir mansamente o rebanho. E o adestramento do brasileiro vai além, com requintes alucinógenos: as pessoas se comportam exatamente como seus líderes manipuladores esperam, mas acham que estão se comportando como super-revolucionários das causas salvadoras do mundo. E isso vai se repetindo em níveis hierárquicos, onde o mais idiota está embaixo, e conforme vai se subindo no organograma infernal da esquerda, a idiotice torna-se em canalhice e vileza. Assim, um Lula, um Dirceu ou um Marco Aurélio Garcia têm plena consciência e poder decisório sobre a agenda revolucionária que pretende tornar o Brasil uma ditadura comunista. Outros como um Jean Wyllys, por exemplo, têm consciência desta agenda e trabalham por ela – são canalhas com menos poder nas mãos. Mas quando se chega ao nível de uma Luisa Mell, aí é que se encontram os militantes que pouco sabem sobre a agenda revolucionária, mas que compõem uma casta de futuros líderes para grupos de militantes alienados, prontos a defender qualquer causa que tão somente lhes pareça justa.

Não é difícil enxergar o futuro dessa apresentadora de TV e “defensora dos animais”. Bastam mais duas ou três palhaçadas como essa do Instituto Royal para que a candidatura de Luisa Mell esteja consolidada, e uma vez eleita podemos esperar projetos de lei imbecis que proibam quaisquer testes com animais no país, de cachorros a camundongos, e quem sabe alguma lei mais absurda ainda sobre o abate de animais para consumo, prática que a apresentadora, vegetariana, é contra. Afinal, se a Câmara Municipal de São Paulo conseguiu proibir o consumo de Foie Gras (veja notícia no G1), não seria nada exagerado imaginar um futuro em que nossos políticos iluminados nos proibam de comer qualquer proteína animal.

Nossa única esperança é resgatar os idiotas úteis de seu estado de dormência intelectual. Conto com você para isso, meu leitor. Imaginei agora um esquema desses de pirâmide, que as pessoas fazem para vender perfumes, shakes emagrecedores e produtos de limpeza, mas aplicado para a desidiotização dos brasileiros. A pessoa começa com um idiota sob sua responsabilidade, consegue desidiotizá-lo, aí recebe mais um idiota, enquanto que o seu primeiro ex-idiota agora recebe o seu próprio idiota e assim por diante. Que fantástico seria quando um membro da nossa Pirâmide Intelectual recebesse o título de Membro Diamante Master, por ter livrado mais de 100 idiotas úteis das garras da esquerda…