A mídia brasileira se cala sobre o livro de Tuma

ASSASSINATO_DE_REPUTACOES_1386444613PMais uma evidência de que a nossa grande mídia está completamente vendida para a esquerda: não há uma menção sequer ao livro de Romeu Tuma Junior, Assassinato de Reputações, e à repercussão que tem causado, em nenhum dos principais portais de notícias brasileiros. Fiz a pesquisa agora pela manhã no G1, Estadão, Folha, O Globo, UOL, Terra e BOL (sim, até no BOL eu procurei…) e NADA! Até no portal de revista Veja, que publicou em sua última edição uma reportagem sobre o livro, não consta uma chamada para o assunto. Por mais incrível que possa parecer, o único lugar em que achei menção ao livro foi justamente no Brasil247, o mais vermelho dos portais.

Em meio a notícias de casamentos da filha de fulano com briga de sicrano, e de uma comoção geral da nação com o rebaixamento dos times cariocas, ninguém achou que fosse importante noticiar que Romeu Tuma Junior acabou de publicar um livro que, me desculpem as palavras, joga merda no ventilador do PT. O livro-bomba, como tem sido chamado, documenta uma prática criminosa do governo petista, ativa e operante nos mandatos de Lula e Dilma: a fabricação de dossiês contra adversários políticos e sua divulgação na mídia. O objetivo, é claro, é destruir a reputação dos desafetos do governo e auxiliar a máquina difamadora do PT em épocas de eleição.

O livro, que ainda não está à venda, fala de diversos casos em que o então Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Junior, recebeu pedidos de petistas de alto escalão para fabricar e esquentar dossiês contra os mais diversos inimigos políticos do partido, alguns de longa data e outros mais recentes. Alguns casos presentes no livro, e que mostram o nível de canalhice do governo petista – todos foram tirados da reportagem que a revista Veja fez com Tuma Junior, publicada na edição número 50 deste ano:

  • o então ministro da Justiça, Tarso Genro, pediu que Tuma vazasse os dados da investigação sigilosa do Cartel dos Trens para a imprensa, a fim de prejudicar o PSDB nas eleições municipais de 2008;
  • o sucessor de Tarso Genro no ministério, Luiz Paulo Barreto, pediu a Tuma que “fulminasse” o governador de Goiás, Marconi Perillo. De acordo com Tuma o pedido veio diretamente de Lula e de Gilberto Carvalho, como vingança por Perillo ter dito publicamente que havia avisado Lula sobre o mensalão;
  • o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, também faz parte do livro, e Tuma faz acusações de ocultação de evidências, corpo mole das autoridades e da polícia e uma tentativa de jogar para baixo do tapete um crime que poderia comprometer muitos petistas poderosos;
  • sobre Gilberto Carvalho, Tuma afirma que o mesmo chegou a confessar, em meio a lágrimas, sua participação no esquema de propinas que levou à morte de Celso Daniel, como portador dos “recursos arrecadados”, que eram sempre levados a ninguém menos que Zé Dirceu;
  • sobre o mensalão, Tuma relata que contas usadas no esquema criminoso, no paraíso fiscal das Ilhas Cayman, foram ignoradas por Tarso Genro e não constaram na investigação.

Tuma fala ainda de dossiês contra Tasso Jereissati, contra a falecida Ruth Cardoso e também do grampeamento geral feito no STF, a fim de espionar as conversas de todos os ministros do Supremo. De acordo com o autor do livro, todo o material publicado tem lastro de evidências, e pode ser provado. Até o momento, de acordo com a única notícia que consegui encontrar sobre o livro (a do Brasil247) somente o Senador Álvaro Dias, do Paraná, se manifestou pelo Twitter a favor de chamar Romeu Tuma Junior para depor no Congresso Nacional. Ao olhar o Twitter de Álvaro Dias pude notar o seguinte: Em “O Globo” e “Estadão” cobrança por esclarecimentos de Tuma Jr. no Congresso. Ou seja, ambos os veículos de mídia citados devem ter publicado alguma coisa a respeito ontem à noite, mas já não consta mais nas páginas principais de seus portais eletrônicos.

Enfim, o livro de Tuma Junior lança acusações bombásticas e terríveis contra o governo petista. Até quando a mídia permanecerá calada a respeito? Álvaro Dias realmente assumirá a iniciativa de chamá-lo para depor? Teremos a CPI dos Dossiês? Essas são perguntas que ficarão em minha cabeça nos próximos dias. Vamos acompanhar atentos o que vem a seguir.

Medalha para o bandido!

medalha_bandidoO Brasil é um país realmente atípico em muitas coisas. Sempre fomos considerados um povo extremamente simpático, povo do futebol, do carnaval e do samba e, para citar pelo menos uma característica pela qual realmente vale a pena ser elogiado, um povo empreendedor. Mas com o advento do governo petista temos visto muitas novas “jabuticabas” surgindo a cada dia, e uma que eu não poderia deixar de comentar diz respeito ao tratamento que nosso governo está dando a bandidos de todo tipo, numa atitude tipicamente esquerdista, como tudo o que esse governo faz, de “reescrever” o passado. Aliás, essa é a base do esquerdismo: minta sobre o futuro, e quando o futuro chegar, e com ele a sua realidade horrorosa, minta sobre o passado, apagando todos os rastros que possam levar ao verdadeiro culpado da desgraça atual, a própria esquerda.

A lista de bandidos tornados em heróis vai desde criminosos no campo das ideias, como Paulo Freire, até terroristas como Cesare Battisti e Marighella, passando por corruptos golpistas como José Genoíno. Segue abaixo uma breve lista com alguns casos de dar nojo a qualquer um que preze pela justiça e pela verdade.

Carlos Marighella: fundador do grupo armado Ação Libertadora Nacional (ALN), responsável juntamente com o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) pelo sequestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick, chegou a ser considerado o inimigo número um do regime militar, e por essa razão precisou ser beatificado pela cúpula petista para ajudar na consolidação da mentira do golpe de 64. Marighella recebeu anistia post mortem pelo ministro petista da justiça, José Eduardo Cardozo (sim, esse que está envolvido na confusão do Cade) e deixou oficialmente de ser um terrorista, sequestrador e assassino para ser um mártir da luta esquerdista. Medalha para o bandido!

Cesare Battisti: membro ativo de um grupo armado de extrema esquerda, condenado na Itália pelo assassinato de quatro pessoas a prisão perpétua, extraditado pelo governo francês e foragido para o Brasil, aqui encontrou em seus amigos de guerrilha comunista a melhor companhia que poderia desejar. Em uma de suas últimas declarações como Presidente da República, o senhor Luis Inácio da Silva decidiu que não concederia a extradição do “militante” em nota divulgada pelo Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, no dia 31 de dezembro de 2010. O referido terrorista vive hoje solto no Brasil, tendo sido recentemente convidado a palestrar na Universidade Federal de Santa Catarina. Medalha para o bandido!

Paulo Freire: autor e inspirador da maior máquina emburrecedora já vista em ação, o sistema educacional público brasileiro, Paulo Freire cometeu um dos maiores crimes de nossa história recente: a destruição intelectual sistemática de três gerações inteiras através do adestramento marxista em todos os níveis de educação pública. Na era Paulo Freire, que parece nunca ter fim, o Brasil apresentou (e continua apresentando) uma queda consistente e constante em todos os comparativos de educação disponíveis, situando-se sempre em patamares de nações africanas, muito longe sequer do grupo intermediário de países. Eu mesmo já postei sobre esse criminoso aqui neste blog. Seguindo a mesma linha estratégica já descrita acima, o governo petista concedeu ao senhor Paulo Freire o título de “Patrono da Educação Brasileira” (lei 12.612/2012). Medalha para o bandido!

José Genoino: deputado federal pelo PT e condenado pelo Supremo Tribunal Federal pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa, co-responsável pelo Mensalão, o maior esquema de compra de votos de parlamentares já visto na república brasileira, e ex-guerrilheiro atuante principalmente no Araguaia, sempre com o objetivo de aplicar ao Brasil o mesmo destino de Cuba, o totalitarismo comunista. A primeira tentativa do governo petista de dar uma medalha à Genoino foi no início do governo Lula, quando foi indicado para o cargo de Ministro da Defesa, uma afronta que os militares não aceitaram. Agora, depois de condenado e já cumprindo pena, recebeu todo o apoio do ex-presidente e do partido governista, recebendo diversas menções heróicas e honrosas. Medalha para o bandido!

Dilma Roussef: ex-integrante de organizações terroristas de esquerda como o Comando de Libertação Nacional (COLINA) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares), participou de assaltos a bancos, atentados com bombas, furtos de veículos e do assassinato de dois policiais. Depois de muitos anos de crimes e algum tempo na prisão, resolveu partir para a política, atuando sempre em cargos técnicos ligados primeiramente ao PDT e depois ao PT. Em 2005 substituiu José Dirceu, outro bandido petista, na Casa Civil, de onde foi catapultada para a Presidência da República, cargo que tem exercido da pior forma possível, esbanjando ineficiência e espalhando asneiras todas as vezes que abre a boca. De terrorista revolucionária a Presidente da República – Medalha para a bandida!

E assim a esquerda brasileira vai limpando a sujeira que deixa pelo caminho com essa vassoura mágica, que transforma bandidos em heróis, crimes em virtudes, vergonha em honra. Enquanto isso nossos poucos e verdadeiros heróis permanecem anônimos ou esquecidos, e a base comparativa de caráter disponível ao povo brasileiro é cada vez mais baixa. Quando nossos heróis são os próprios criminosos, quanto mais é possível descer? Já estamos na lama…

Eu sou você amanhã

brasilvenezuelaA Venezuela não se cansa de nos dar exemplos do que não fazer, e nós também não nos cansamos de ignorar esse exemplos e fazer exatamente o que não se deve. Embora muitas pessoas insistam em acreditar e dizer que o Brasil não é a Venezuela, e que não há como acontecer aqui tudo o que aconteceu por lá, quem olhar para uma década atrás verá que a Venezuela daquela época estava sendo preparada para o totalitarismo comunista em estágios semelhantes ao que vivemos hoje no Brasil. O então presidente (e hoje semi-deus) Hugo Chávez havia aparelhado as instituições democráticas como o PT vem fazendo no Brasil, conseguindo maiorias em todas elas: Câmara, Senado e Suprema Corte. O Brasil,  uma década depois da Venezuela, também tem suas instituições tomadas pela corja petista, com maioria nessas três casas. Esse processo se consolidou neste ano, na última troca de ministros do STF, troca que garantiu aos réus do Mensalão a impunidade, como todos puderam ver alguns meses atrás.

Outra semelhança com uma década de diferença diz respeito à indignação popular e à tentativa de mudança, na base da revolta. Em 2002 houve uma revolta popular anti-Chávez com a tomada do poder, por menos de dois dias, por Pedro Carmona, presidente da Federação Venezuelana de Câmaras de Comércio. Por falta de apoio popular e também contando com a força de sua Guarda Presidencial, Chávez retomou o poder rapidamente e a partir daquele momento acelerou o processo de endurecimento autoritário de seu governo. Uma década depois vimos no Brasil os movimentos de rua que por duas semanas mostraram a revolta de setores da população brasileira com o governo atual, mas que também foram rapidamente sufocados com a inserção de manifestantes pró-governo no meio das multidões que protestavam e com a ação de milícias terroristas (os tais black blocs) para incitar violência e medo nas multidões. O governo petista não só resistiu a esse período de revoltas, mas viu a popularidade da presidente mais despreparada e incapaz da história retornar a patamares de aprovação dignos de um Reagan ou de uma Thatcher. E o equivalente da Guarda Presidencial de Chávez existe no Brasil e se chama Força Nacional de Segurança, a guarda pretoriana de Dilma Roussef.

Se estamos sempre fazendo as burradas da Venezuela uma década depois, o que será que veremos no Brasil em 2023? Futurologia nunca foi uma de minhas especialidades, mas prever esse futuro é mais fácil do que fazer aquelas previsões que ouvimos na Globo, na virada do ano, geralmente da boca de algum pai-de-santo, do tipo “no ano que entra veremos a morte de uma celebridade muito querida” ou “no próximo ano o mundo assistirá a uma tragédia natural”. Pois eu digo que, se em 2014 o povo brasileiro mantiver o PT no Governo Federal, em 2023 podemos contar com falta de papel higiênico, com supermercados vazios, com Natal antecipado, com a comemoração do Dia de São Lula (até lá ele já deve ter morrido – ninguém bebe tanta cachaça em uma vida só e fica impune), e o pior de tudo, com a implantação dos últimos estágios para o regime comunista, com a supressão total de liberdades e o início de prisões e assassinatos daqueles que não aderirem à “revolução”.

As notícias de hoje sobre o governo venezuelano são de que Maduro está a um voto, na Assembleia Nacional, de conseguir aprovar uma lei (a lei Habilitante) que o permitirá governar por decretos em situações de crise nacional. E a crise que ele enfrenta no momento é a do desabastecimento generalizado, situação criada pelo próprio governo com suas medidas intervencionistas, a estatização de empresas e a inflação que vem subindo a galope. A última medida de Maduro, que corta os preços de eletrônicos e eletrodomésticos em até 77% por decreto, causou a ida de multidões às lojas para aproveitar a redução, já que antes do decreto uma TV de 47 polegadas custava apenas o equivalente a R$ 40.000,00.

Até uma criança sabe que não se baixa preços e não se acaba com a inflação e com o desabastecimento por decreto. A economia venezuelana vem sendo destruída sistematicamente por seus governantes, e agora, quando já se encontra em coma, ela cobra o preço de tantos anos de esquerdismo desenfreado: falência total e completa do país, mesmo com todas as reservas de petróleo que a Venezuela possui em seu território. Mas não devemos entender essa situação como uma simples burrice de Chávez e agora de Maduro. Na verdade, tudo vem sendo feito para conduzir o país exatamente ao ponto de tornar a situação tão insuportável que o caos seja inevitável, “obrigando” Maduro a se utilizar de mecanismos totalitários para condução do poder. É o que ele espera conseguir com a tentativa de aprovação da lei Habilitante.

Lembra da propaganda da vodca Orloff? Se você não lembra ou é novo demais para ter visto, não deixe de conferir este vídeo, e imagine a Venezuela dizendo isso para nós: eu sou você, amanhã. Vamos realmente acordar daqui a dez anos com uma ressaca enorme de duas décadas de governo esquerdista, e ver que não existe Engov no mundo que nos ajude a sair dela? Tudo dependerá das eleições de 2014. Veremos…