Momentos finais de 2013

bye-bye-2013-and-welcome-2014-year

Tenho menos de oito horas de 2013 pela frente, e agora que já saí de casa, atravessei uma São Paulo vazia, uma rodovia dos Bandeirantes super tranquila, e cheguei a Piracicaba, onde vamos passar o reveillon com a família, chegou a hora de escrever o último post de 2013, de um blog que começou pouco tempo atrás, e que pretende fazer alguma diferença positiva em 2014.

Para permanecer dentro dos propósitos deste blog, quero apenas compartilhar uma opinião, ou melhor, uma percepção minha sobre o ano que passou. 2013 foi o ano em que dois processos históricos que estavam em curso se aceleraram de uma forma acentuada, e 2014 promete ser o ano em que esses dois combatentes enfrentarão uma luta difícil. Acusem-me de maniqueísmo, de simplismo, de ingenuidade ou mesmo de ignorância, mas eu realmente acredito que esses combatentes representam lados opostos, bem e mal, virtude e vício, e que nosso futuro como nação democrática depende do resultado deste embate.

De um lado, vestindo o calção vermelho com estrela, foice e martelo, está o PT. Pesando toneladas, é o lastro que afunda o país em direção ao inferno futuro da ditadura esquerdista. Em 2013 o PT radicalizou seus ataques aos valores fundamentais da democracia, tomando uma posição cada vez mais beligerante contra a liberdade de expressão, contra as instituições democráticas, contra as liberdades individuais, contra o direito à vida e contra a família. Jamais se viu, na história brasileira, um período em que se concentraram tantos esforços, em um só partido, para solapar a democracia e instaurar um regime autoritário. O treinador do PT, o Foro de São Paulo, vem fazendo seu trabalho há mais de uma década, e resolveu cobrar resultados. Não foi fácil e nem agradável ler, diariamente, notícias que revelavam a corrosão progressiva de nossas liberdades. Processos judiciais absurdos, proibição de publicações, censura, mentiras de toda espécie, impunidade, crimes e canalhices que dão desgosto à alma e diminuem a cada dia nossa vontade de permanecer aqui neste Brasil. Em 2013 o PT veio para tentar o nocaute. Ainda bem que não conseguiu, ainda.

No canto oposto, vestindo o calção verde e amarelo, está a direita brasileira. Pesando muito menos do que sua categoria exige, ela começou o ano tentando ganhar massa, buscando se fortalecer, agregando gente à equipe, procurando por um técnico. Por menos poderosa e sem representatividade política que ela seja, 2013 foi um ano em que a direita brasileira respirou novamente em consciência, saiu do coma. Ainda em busca de agregar suas tão variadas matizes, ela se destacou por seus componentes individuais, gente que se colocou na brecha e resolveu brigar, ainda que com um Golias vermelho, mas com muitas pedras de qualidade no alforje. Olavo de Carvalho, Rodrigo Constantino, Reinaldo Azevedo, Danilo Gentili, Felipe Moura Brasil, Lobão, Paulo Eduardo Martins, Rachel Sheherazade, Luciano Ayan, Flavio Morgenstern – estes são alguns nomes que fizeram de 2013 um ano especial para nossa direita. Com inteligência, integridade, sinceridade e muita paciência, enfrentaram ataques esquerdistas de todo tipo: jabs, cruzados, diretos, uppers.

Os rounds aos quais assistimos consistiram em pancadaria pura de um lado, elegância e inteligência do outro. Enquanto a esquerda partiu para cima com sua militância gigantesca, patrocinada pelo dinheiro farto do Estado, a direita teve que lutar de uma forma praticamente cirúrgica, com intervenções planejadas e estruturadas, pois nenhum recurso poderia ser desperdiçado. Quando se está em minoria é que preparação e planejamento mais contam. E se, em meados de março lembro ter dito a um amigo que o PT acabaria com nossas liberdades ainda neste ano, hoje posso dizer que vejo uma reação legítima e que me dá uma esperança, ainda que mínima, de que as coisas possam caminhar para um futuro menos vermelho, menos autoritário e menos petista.

Meus votos para 2014: que Dilma perca a eleição, que o PT diminua, que os “reaças” se multipliquem e que a democracia brasileira suporte mais um ano.

Abraços a todos!

Black blocs mascarados reacionários da direita

solnikUm médico que acredita que o coração fica no abdômen, um engenheiro civil que calcula a quantidade de concreto em uma obra jogando búzios, um advogado que decorou apenas os diálogos do último gibi do Cebolinha – todos esses exemplos poderiam servir como analogias da maioria dos jornalistas brasileiros da atualidade. Foi isso que pude ver ontem em noventa minutos de Roda Viva, que poderia ter sido chamado de Roda Burra. O nível de alguns “jornalistas” que ali se encontravam era tão ruim que não seria um exagero chamá-los de analfabetos funcionais.

Para quem não viu, o músico e escritor Lobão foi o entrevistado de ontem no Roda Viva, exibido na Cultura todas as segundas-feiras a partir das 22h. Foi um programa bastante divertido o de ontem, com o Lobão cercado de comunistas (alguns mais exacerbados que outros), disparando suas pérolas em resposta a perguntas muitas vezes idiotas, e mostrando uma sinceridade ímpar em todo o tempo. Mas se a parte divertida e positiva foi ver Lobão defendendo com muita competência os princípios que eu tanto prezo, como as liberdades individuais, o livre mercado e a propriedade privada, a parte divertida e negativa foi ver pessoas que se chamam de jornalistas falarem besteiras sem tamanho, e sem vergonha na cara. Apenas Augusto Nunes, que mediava o programa, e Tiago Agostini, que manteve suas perguntas no âmbito cultural, pareciam não ter saído de um hospício. Aos demais só faltavam as camisas de força.

Adriana Couto, apresentadora do Metrópolis, baseou suas perguntas no último livro do Lobão, Manifesto do Nada na Terra do Nunca. O problema é que as perguntas que ela fez soam absurdas para quem leu o livro, como eu. O que me leva a concluir que: a) ou ela não leu o livro e fez perguntas baseadas apenas em resenhas ou trechos isolados, b) ou ela leu o livro e não conseguiu entender, mesmo sendo uma leitura relativamente fácil e de vocabulário simples. As duas opções são péssimas. Um jornalista não pode ir a um programa de entrevistas como o Roda Viva, decidido a perguntar sobre uma obra do entrevistado, sem ler a obra! Agora, se leu a obra e não conseguiu entendê-la, não pode ser jornalista! Acontece que no Brasil pode, infelizmente, e se tornou muito comum a presença de “profissionais” que não conseguem mais apreender o significado real das palavras quando leem um texto. Por isso os chamei de analfabetos funcionais, pois, quando tentam ler, captam apenas significados automatizados de palavras que lhes estimulam as áreas adestradas de suas mentes, e este processo é desprovido de uma análise racional, estando muito mais ligado ao adestramento cultural a que foram submetidos e do qual não conseguem se libertar.

Mas o ponto alto da noite ainda estava por vir, e teria de vir de Alex Solnik, que personificou a demência em seu mais alto nível, ao perguntar para Lobão sobre os Black Blocs e, antes mesmo da resposta do entrevistado, complementou com a frase que ficará para sempre gravada nos arquivos da televisão brasileira:

“Black Blocs são de direita, porque usam máscaras.”

Afora as boas gargalhadas imediatas que essa jumentice provocou em mim e em muitos outros que assistiam ao programa naquele momento, a realidade disso é muito triste. Como pode uma pessoa dessas ser chamado de jornalista e, pior, trabalhar em uma revista e ser chamado para um programa como o Roda Viva? O raciocínio deste senhor é mais fantasioso do que o de uma criança em idade pré-escolar. E sua frase mais idiota da noite corrobora a idiotice do restante de suas perguntas, um apanhado de chavões ideológicos desconexos, sem mencionar sua falta de polidez durante o programa.

Essas pessoas que ali estavam ocupam lugares em grandes órgãos da mídia nacional. Não seria um exagero supor que há muitos outros como eles espalhados por grandes jornais, revistas e programas de televisão. Na verdade, uma breve leitura dos principais portais de notícias brasileiros deixa muito claro que essa suposição já se comprovou como realidade. O que lemos, com poucas exceções, são textos pessimamente escritos, carregados de lugares comuns, pontilhados com palavras-gatilho, que são a ferramenta para atingir o único objetivo desses jornalistas militantes: disparar reações sub-racionais em seus leitores pelo uso massivo de chavões ideológicos e palavras de difícil conexão com a realidade.

A mim, diante de tal loucura do senhor Alex Solnik, me resta alertá-lo sobre alguns perigosos Mascarados Reacionários de Direita com os quais ele pode se deparar em algum momento. Cuidado com esses, Alex Solnik: Zorro, Lanterna Verde, Batman, Bloco de Carnaval de Salvador, Pilotos de Fórmula Um, Pilotos de Motovelocidade, Lutadores de Esgrima, Jogadores de Hóquei, Jason do Sexta-Feira 13, Fantomas, Tartarugas Ninjas e muitos outros.