Um país sem heróis

Liga-da-Justiça1Alguma vez você já parou para pensar que todos os heróis da ficção que conhecemos foram criados fora do Brasil? Batman, Super-Homem, Homem-Aranha, Thor, Hulk, Homem de Ferro, os X-Men, e a lista continuaria por páginas, sem um herói brasileiro sequer. Isso diz muito sobre a nossa mentalidade como povo, e também tem relação com as ideologias esquerdistas que têm dominado o cenário nacional.

A direita, historicamente, sempre acreditou que o homem não é um ser bonzinho, e que, independentemente do contexto onde nasce e é criado, ele carrega consigo a imperfeição e a corrupção moral, de tal forma que suas capacidades intelectuais não são suficientes para livrá-lo da possibilidade do erro. Já a esquerda tem um discurso bastante diferente, de que o homem é corrompido pela sociedade em que nasce e é criado, e que por isso bastaria construir uma sociedade “perfeita” para que dali em diante os homens não mais se corrompessem. É a base do comunismo: criar uma coletividade utópica para que a individualidade morra.

E o que isso tem a ver com não termos heróis? Tem muito a ver! Um esquerdista não precisa de heróis, porque para ele um herói é alguém que contribua ativamente para que o mundo seja transformado no que ele acredita ser o certo, independentemente das ações que esse “herói” tenha tomado para viabilizar essa transformação (ou o famoso “os fins justificam os meios”). É por isso que os esquerdistas idolatram assassinos, estupradores, genocidas e canalhas em geral, como Lênin, Stálin, Che Guevara, Fidel Castro etc. Para qualquer pessoa que tenha um mínimo de bom senso e respeito pela vida humana, imaginar que uma pessoa que tenha causado a morte de milhares, às vezes milhões, de pessoas possa ser chamado de herói tão somente porque possibilitou a revolução comunista, e que esses mortos todos são “ossos do ofício”, casualidades no caminho de um bem maior, é algo inconcebível e inimaginável.

Enquanto os heróis da ficção são capazes de se doar pela humanidade, de sofrer e lutar até a exaustão completa por uma única vida, os heróis da esquerda fuzilam quem quer que apareça entre eles e seus planos revolucionários. E mais: o conservador de direita assiste aos filmes de heróis e lê suas histórias, e se inspira com os atos de nobreza. O esquerdista lê sobre seus heróis assassinos e vibra com a morte dos anti-revolucionários. Enfim, é uma diferença tão grande como céu e inferno, como bem e mal, como luzes e trevas. E se você está achando que eu estou comparando a esquerda com as trevas, você acertou. A esquerda é o fim da humanidade livre, é o fim da virtude, é a banalização da vileza e o culto à maldade.

E como ficamos aqui no Brasil? Num país onde o governo foi entregue à esquerda, mas o povo continua sendo conservador em sua grande maioria, a busca por heróis nunca cessa. Infelizmente ela acaba sendo feita na base da fé nos homens públicos. Quem não se lembra, no auge do julgamento do Mensalão, do número de postagens no Facebook que pediam que Joaquim Barbosa se candidatasse? Sim, ele foi o nosso herói de 2013, aquele que acendeu uma pequena chama de esperança no coração de tantos brasileiros. Infelizmente ele não tinha poderes especiais, e foi decepção completa o que os brasileiros sentiram naquela dia fatídico, 18 de setembro de 2013, quando os mensaleiros conseguiram o que queriam através do voto do ministro Celso de Mello. Se Joaquim Barbosa foi nosso Super-Homem por alguns dias, Celso de Mello cumpriu muito bem seu papel de Lex Luthor.

Brasil, a Liga da Injustiça.

Eu sou você amanhã

brasilvenezuelaA Venezuela não se cansa de nos dar exemplos do que não fazer, e nós também não nos cansamos de ignorar esse exemplos e fazer exatamente o que não se deve. Embora muitas pessoas insistam em acreditar e dizer que o Brasil não é a Venezuela, e que não há como acontecer aqui tudo o que aconteceu por lá, quem olhar para uma década atrás verá que a Venezuela daquela época estava sendo preparada para o totalitarismo comunista em estágios semelhantes ao que vivemos hoje no Brasil. O então presidente (e hoje semi-deus) Hugo Chávez havia aparelhado as instituições democráticas como o PT vem fazendo no Brasil, conseguindo maiorias em todas elas: Câmara, Senado e Suprema Corte. O Brasil,  uma década depois da Venezuela, também tem suas instituições tomadas pela corja petista, com maioria nessas três casas. Esse processo se consolidou neste ano, na última troca de ministros do STF, troca que garantiu aos réus do Mensalão a impunidade, como todos puderam ver alguns meses atrás.

Outra semelhança com uma década de diferença diz respeito à indignação popular e à tentativa de mudança, na base da revolta. Em 2002 houve uma revolta popular anti-Chávez com a tomada do poder, por menos de dois dias, por Pedro Carmona, presidente da Federação Venezuelana de Câmaras de Comércio. Por falta de apoio popular e também contando com a força de sua Guarda Presidencial, Chávez retomou o poder rapidamente e a partir daquele momento acelerou o processo de endurecimento autoritário de seu governo. Uma década depois vimos no Brasil os movimentos de rua que por duas semanas mostraram a revolta de setores da população brasileira com o governo atual, mas que também foram rapidamente sufocados com a inserção de manifestantes pró-governo no meio das multidões que protestavam e com a ação de milícias terroristas (os tais black blocs) para incitar violência e medo nas multidões. O governo petista não só resistiu a esse período de revoltas, mas viu a popularidade da presidente mais despreparada e incapaz da história retornar a patamares de aprovação dignos de um Reagan ou de uma Thatcher. E o equivalente da Guarda Presidencial de Chávez existe no Brasil e se chama Força Nacional de Segurança, a guarda pretoriana de Dilma Roussef.

Se estamos sempre fazendo as burradas da Venezuela uma década depois, o que será que veremos no Brasil em 2023? Futurologia nunca foi uma de minhas especialidades, mas prever esse futuro é mais fácil do que fazer aquelas previsões que ouvimos na Globo, na virada do ano, geralmente da boca de algum pai-de-santo, do tipo “no ano que entra veremos a morte de uma celebridade muito querida” ou “no próximo ano o mundo assistirá a uma tragédia natural”. Pois eu digo que, se em 2014 o povo brasileiro mantiver o PT no Governo Federal, em 2023 podemos contar com falta de papel higiênico, com supermercados vazios, com Natal antecipado, com a comemoração do Dia de São Lula (até lá ele já deve ter morrido – ninguém bebe tanta cachaça em uma vida só e fica impune), e o pior de tudo, com a implantação dos últimos estágios para o regime comunista, com a supressão total de liberdades e o início de prisões e assassinatos daqueles que não aderirem à “revolução”.

As notícias de hoje sobre o governo venezuelano são de que Maduro está a um voto, na Assembleia Nacional, de conseguir aprovar uma lei (a lei Habilitante) que o permitirá governar por decretos em situações de crise nacional. E a crise que ele enfrenta no momento é a do desabastecimento generalizado, situação criada pelo próprio governo com suas medidas intervencionistas, a estatização de empresas e a inflação que vem subindo a galope. A última medida de Maduro, que corta os preços de eletrônicos e eletrodomésticos em até 77% por decreto, causou a ida de multidões às lojas para aproveitar a redução, já que antes do decreto uma TV de 47 polegadas custava apenas o equivalente a R$ 40.000,00.

Até uma criança sabe que não se baixa preços e não se acaba com a inflação e com o desabastecimento por decreto. A economia venezuelana vem sendo destruída sistematicamente por seus governantes, e agora, quando já se encontra em coma, ela cobra o preço de tantos anos de esquerdismo desenfreado: falência total e completa do país, mesmo com todas as reservas de petróleo que a Venezuela possui em seu território. Mas não devemos entender essa situação como uma simples burrice de Chávez e agora de Maduro. Na verdade, tudo vem sendo feito para conduzir o país exatamente ao ponto de tornar a situação tão insuportável que o caos seja inevitável, “obrigando” Maduro a se utilizar de mecanismos totalitários para condução do poder. É o que ele espera conseguir com a tentativa de aprovação da lei Habilitante.

Lembra da propaganda da vodca Orloff? Se você não lembra ou é novo demais para ter visto, não deixe de conferir este vídeo, e imagine a Venezuela dizendo isso para nós: eu sou você, amanhã. Vamos realmente acordar daqui a dez anos com uma ressaca enorme de duas décadas de governo esquerdista, e ver que não existe Engov no mundo que nos ajude a sair dela? Tudo dependerá das eleições de 2014. Veremos…

Bandido bom é…

jailcell2_1Qual foi o complemento da frase que passou imediatamente em sua cabeça quando você leu as três palavras do título? Esse complemento diz muito sobre sua inclinação política e sobre o seu caráter. Vou contar uma breve história, mas fique com esse complemento em mente, pois você vai precisar dele mais tarde para finalizarmos o texto.

Tenho amigos e conhecidos que moram no Rio de Janeiro, e por mais que cariocas e paulistanos tenham uma certa rixa regionalista, uma coisa temos em comum: vivemos em constante estado de temor por nossa segurança. Por mais que vejamos notícias de assaltos, homicídios, sequestros e arrastões, eu nunca havia tido o infortúnio de passar por uma situação mais perigosa, e nem mesmo conhecia alguém que tivesse passado. Mas isso foi até sábado passado, quando vi o post de Facebook de um conhecido do Rio, pedindo que enviássemos nossos contatos novamente pois ele havia sido sequestrado e passado mais de três horas em poder dos bandidos.

Sabendo do ocorrido, consegui falar com ele no dia seguinte. Os detalhes foram assustadores: ele foi pego por quatro bandidos, que o fizeram trocar de veículo e acompanhá-los por diversos bancos e lojas para realizar saques e compras nos cartões de débito. Um dos bandidos carregava uma granada e ficava tirando e recolocando o pino de segurança, e houve momentos em que ensacaram a cabeça da vítima que, pai de família e com suas crianças esperando em casa, pensou que jamais os abraçaria novamente.

Uma coisa que esse conhecido me contou foi que os bandidos, em vários momentos, se referiam ao que estavam fazendo como “trabalho”. Lembrei imediatamente de um depoimento recente que saiu em portais de notícias e nas mídias sociais de uma mãe de bandido que sabia que seu filho saía para assaltar e diante das câmeras dizia “ele sai para trabalhar toda manhã”. Parece apenas uma gíria, um modo de falar, mas quando uma pessoa acredita que sair para cometer crimes é um trabalho, qual a chance dessa pessoa abandonar essa vida de crimes e sair em busca de um trabalho de verdade? Nenhuma! A partir do momento em que se subverte o significado de “trabalho” em algo tão torpe e tão longe do significado original da palavra, a perda de conexão do símbolo com o real afeta todos os outros símbolos (palavras) que se relacionam a ela. Por exemplo: se eu acredito que roubar é uma forma de trabalho, então vou acabar acreditando que roubar é aceitável, pois o trabalho é algo não somente aceitável, mas desejável em nossa sociedade. Além disso, para tornar esse conceito palatável a mim mesmo terei que acreditar que o bandido não tem culpa do que faz. E assim por diante.

Voltemos agora ao início do texto, e ao que passou em sua mente. Se você pensou logo em complementos do tipo “Bandido bom é bandido preso” ou “Bandido bom é bandido morto”, é porque você é um cidadão normal, que preza pela vida, que acredita que as pessoas são responsáveis por seus atos, e que sabe que lugar de bandido é na cadeia.

Mas, incrivelmente, vemos gente que completa essa frase com “Bandido bom é todo bandido, pois são injustiçados pela sociedade e não têm outra opção senão o crime”. Se você pensou assim, meus pêsames: sua mente já foi dominada pela ideologia nojenta e repugnante de um dos homens que mais causou mal ao mundo, Jean-Jacques Rousseau. Esse imbecil conseguiu construir um arcabouço de ideias absurdas que tentam provar que o homem é bonzinho, mas a sociedade o corrompe e praticamente o obriga a ser um criminoso.

A sociedade brasileira não suporta mais o modo leniente e a impunidade com que são tratados os bandidos que nos tiram a paz e a vida. Nossos 50.000 mortos por ano nos tornam um dos países mais violentos do mundo, e nossas ONGs e órgãos de defesa dos direitos humanos continuam do lado errado. Esse é o modo que a esquerda opera, por mais antagônico que seja ao desejo da população.

Em 2014, Direitas Já!

O Marco Petista da Internet

censuradoUma das maneiras mais sórdidas que os governos de esquerda utilizam para controlar as empresas e a economia de uma nação são as infinitas regulamentações sobre as diferentes atividades econômicas e as taxações sobre lucros. Ambas causam o mesmo efeito: diminuição de lucros com decorrente desestímulo à atividade empresarial, que no longo prazo leva à falência de empresas e deterioração da economia. Assim, a cada nova regra ou imposto criados, o Governo dificulta a vida dos empresários, e ao mesmo tempo lança linhas de crédito e programas para “ajudar” esses mesmos empresários, num movimento claramente planejado, com o único propósito de ganhar cada vez mais controle sobre as empresas. A conversa é mais ou menos a seguinte:

– Você está lucrando muito! Quero uma parte dos seus lucros para governar melhor.

– Ok Governo. Aqui está sua parte.

– Ainda é pouco!!! Quero mais, e também criei umas regras novas que você vai precisar seguir.

– Mas Governo, nessas condições eu vou acabar quebrando! Vou ter que demitir muita gente!

– Hmmm… É verdade. Então façamos o seguinte: eu não abro mão do aumento de impostos e nem das novas regras, mas vou te emprestar um dinheiro da Caixa Econômica a juros baixinhos, e criar uma agência de fomento à sua atividade econômica.

E nesse momento o empresário percebeu que está ferrado. Afinal, se inicialmente havia apenas ele e seus concorrentes vendendo e lucrando, agora o montante de gente que precisa ser remunerado com a mesma geração de riqueza é muito maior! Adicionaram-se os órgãos governamentais de tributação e fiscalização, o banco, a agência de regulamentação, a agência de fomento, e mais uma miríade de petistas vagabundos que precisam conseguir seu sustento parasitando alguém que realmente trabalha. Para manter a lucratividade em níveis aceitáveis o empresário precisa aumentar o valor de venda de seus produtos e serviços, porque a única opção restante seria fechar as portas. E aí o pagador-mor de patos e engolidor-mor de sapos paga por isso – ele mesmo, o cliente final.

O desGoverno petista já colocou suas mãos em muitos setores da economia para atrapalhar, e a bola da vez talvez seja o mais dinâmico e criador de riquezas da atualidade: a internet. Criada e crescida em total liberdade, esse monstro gerador de riquezas, que tem servido de berço para empresas como Google, Facebook e Yahoo, e impulsionado outras gigantes do setor de informática como Apple, Microsoft e HP, está sob ataque no Brasil. Com o pretexto absurdo de garantir a segurança dos dados brasileiros, a presidANTA Dilma quer forçar a aprovação de um texto modificado que impede as empresas de telecomunicações de cobrarem por serviços de forma customizada, algo que poderia baixar o custo de acesso de muita gente, e obrigando grandes empresas geradoras de dados a manterem no Brasil centros de armazenamento imunes à espionagem americana.

Sobre a primeira questão, é novamente a interferência do Estado num setor da economia que segue tão bem e em crescimento acelerado. Querem diminuir a autonomia das empresas em lidar com seus diferentes segmentos de clientes, com o discurso imbecil de “igualdade de acesso”. Ora, qual é o problema da empresa de telecom me cobrar um valor diferente do meu vizinho, se eu e meu vizinho utilizamos a internet de forma bem diferente? Se ele fica o dia todo baixando filmes e eu apenas uso a minha conexão para enviar e receber e-mails, o que há de injusto em cobrar valores diferentes para nós dois?

Já a segunda questão é mais séria, pois envolve a disponibilização de nossos dados ao Governo. Um esquerdista jamais toma uma decisão e cria uma regra, uma regulamentação, sem uma segunda intenção, que geralmente ele mantém em segredo. Neste caso a exigência será de que as empresas mantenha centros de armazenamento de dados no Brasil, para evitar o acesso indevido de dados, tudo feito com base no teatro montado pela senhora Dilma, terrorista de carteirinha, em relação à espionagem norte-americana envolvendo as conversas da referida presidANTA. Mas, como sempre, só não enxerga quem não quer: esta exigência levará necessariamente a uma situação em que o Governo tenha como vasculhar nossos dados, nossos posts de Facebook, nossos e-mails, nossos blogs, enfim, toda a parcela de nossa vida que está hoje nas mãos de Google, Yahoo, Facebook, LinkedIn etc. E num governo que não tem nenhum apreço pela liberdade, que adora uma censura, e que persegue seus opositores, isso não será nada bom.

O Marco Civil da Internet, no texto que o PT quer aprovar, é o início da tirania petista no último bastião de resistência da direita no Brasil. A situação é delicada e o futuro está em jogo.

A Esquerda Infiltrada – Assassinato de Bebês

startsatsixty-rotten-strawberryDesde 1988 a esquerda tem agido ativamente para tornar o aborto em algo comum e legalmente permitido. E em 2013, 25 anos depois, esse objetivo foi atingido no Brasil com a aprovação da Lei 12.845/2013, conhecida nos movimentos pró-vida como Lei Cavalo de Troia. Para quem quiser acessar o conteúdo completo sobre essa atrocidade, há um link muito bom disponível, http://www.documentosepesquisas.com/cavalodetroia.pdf.

Eu não vou focar o texto de hoje na lei em si. Para nossos propósitos basta sabermos que essa lei torna o aborto não só permitido, mas também uma obrigação do Estado, nos casos em que mulheres que se declarem vítimas de violência sexual o solicitarem. Fica muito claro para mim, e para todos que conheço que lutam pela vida e contra o aborto, que isso é pura e simplesmente uma autorização para o aborto gratuito e fácil no Brasil. Afinal, basta que a mulher chegue a um hospital público e diga que foi estuprada (ela pode inclusive alegar que não conhece o estuprador) e que quer tomar medidas abortivas. Como o estupro não pressupõe necessariamente agressão física, basta que o sexo tenha sido alegadamente não consensual para que esta mulher tenha o direito ao aborto.

Mas o nosso tema hoje é A Esquerda Inflitrada. Qual a relação com a lei acima citada?

Tenho acompanhado uma discussão no Facebook, iniciada em postagens de um grupo pró-vida que busca a revogação dessa lei insana. E eis que surge, de dentro do grupo, uma voz esquerdista, a dizer que “considero totalmente contraproducente essa iniciativa, como outras que vêm sendo tomadas nesse assunto. Em primeiro lugar, ela relata de modo errado a lei aprovada, que não permite o aborto em qualquer situação, como se diz no texto. Somente uma interpretação totalmente distorcida poderia levar a pensar assim, e penso que fazemos um péssimo trabalho ao endossar essa interpretação, que nem o governo (sic) pretende fazer. Que vantagem temos em ficar dizendo que o aborto no Brasil está aprovado?“.

O agente infiltrado (neste caso uma agente) tenta apelar primeiramente para o texto em sua interpretação mais ingênua possível (a lei aprovada, que não permite o aborto em qualquer situação”)Depois passa para o ataque direto às pessoas que, até aquele momento, eram suas companheiras de causa (“Somente uma interpretação totalmente distorcida poderia levar a pensar assim”). Em seguida coloca-se como autoridade e juiz sobre o grupo, emitindo seu parecer (penso que fazemos um péssimo trabalho ao endossar essa interpretação”) e deposita a confiança no Governo, o mesmo que até aquele momento a agente esquerdista dizia combater (“que nem o governo (sic) pretende fazer”). Para finalizar coloca uma questão “bolinha de fumaça Ninja” e sai correndo do debate (“Que vantagem temos em ficar dizendo que o aborto no Brasil está aprovado?”).

Veja como a esquerda trabalha infiltrada em grupos de direita conservadora. Seus agentes trabalham às vezes por anos em disfarces conservadores, participando ativamente de movimentos contrários às suas orientações políticas, para no momento exato interferir cirurgicamente e fazer o que todo agente infiltrado é treinado para fazer: sabotagem.

A grande vantagem da esquerda na guerra ideológica é justamente essa: ela consegue fazer a infiltração e a sabotagem tão bem, porque é muito fácil apodrecer algo que esteja saudável, mas impossível tornar saudável algo que esteja podre. Imagine a situação oposta, onde um agente infiltrado da direita tentasse promover a agenda pró-vida no meio de abortistas – é como colocar uma zebra no meio de leões para que ela os convença a adotar o vegetarianismo. Por isso a esquerda tem sido bem sucedida em sua agenda assassina, porque ela dá vazão às psicopatias e à vileza do homem, e não exige nenhum sacrifício, nenhuma trava moral, nenhuma reflexão intimista. Ao contrário, o esquerdismo estimula o homem a ser tudo de pior que ele pode ser, sem restrições.

Todo grupo ou organização que lute contra o esquerdismo e todas as suas vertentes assassinas precisa estar em constante vigilância, para não permitir que esses infiltrados ocupem espaços e posições de destaque. Como em toda a guerra, é muito mais eficiente conter a sabotagem do que lidar com os efeitos da mesma.

A arma: Paulo Freire; a munição: Karl Marx; o alvo: nossos filhos.

targetchildrenTrês semanas atrás estive com a coordenadora pedagógica de um colégio renomado do ABC paulista, entregando um trabalho de fotografia que havíamos finalizado. No final da conversa perguntei:

– Qual é a linha de ensino que vocês seguem? Tem algo a ver com Paulo Freire?

Ao que ela me respondeu, com entusiasmo:

– Sim! Nós devemos muito a Paulo Freire! Todo o nosso ensino é baseado na obra dele. Por que a pergunta?

E minha resposta sincera foi:

– É que eu odeio o Paulo Freire.

Nesse momento o rosto da mulher mudou completamente, e o seu olhar de reprovação me deu a certeza de que jamais conseguirei um trabalho deles novamente.

A estratégia da esquerda tem sido, nas últimas três décadas, o ataque direto à juventude através do sistema educacional, com a adoção de um método que destrói o pensamento crítico individual e estimula uma coletividade burra nos jovens brasileiros. Além disso, os conteúdos básicos da formação intelectual foram substituídos por um monte de lixo marxista, cuja “cereja do bolo” são as interpretações distorcidas da história e a demonização do capitalismo e dos valores de direita. E eu nem vou falar da “educação sexual”, porque senão vou passar mal e não conseguirei terminar essa postagem.

O pior é que muitos pais, provavelmente a maioria, acha que livrou seus filhos dessa doutrinação comunista ao matriculá-los em bons colégios particulares. E esses mesmos pais não veem mal algum em um colégio adotar Paulo Freire como sua linha mestra. Se você é um deles, saiba que seus filhos não estão sendo preparados para um dia ocuparem lugares de destaque na sociedade, e sim para se alinharem nas fileiras de “idiotas úteis” que servem tão bem aos governos de esquerda.

Se alguém ainda não conhece a “obra” deste senhor, não bastará para isso procurar seu nome na Wikipedia. A patrulha esquerdista já se apoderou há tempos dos verbetes que tem qualquer relação com sua ideologia, e em especial dos que falam sobre seus ídolos. Mas um estudo do que é chamado “Método Paulo Freire”, que nada mais é do que uma versão marxista da cartilha do missionário norte-americano Frank Charles Laubach (esse sim um grande educador), mostrará que o patrono da educação brasileira (lei 12.612/2012) estava interessado apenas em ensinar a luta de classes e o engodo da opressão capitalista disfarçados em alfabetização. Dessa forma, em duas ou três gerações a esquerda teria uma massa adestrada grande o suficiente para tomar o poder.

O resultado de tal estratégia está a nossa vista, ao nosso redor: um país governado pelo governo mais corrupto e cruel da história, eleito por adultos que não conseguem escrever um parágrafo em português correto, por universitários que não fazem ideia do que seja tabuada e por jovens completamente alienados, mesmo diante da maior quantidade de informação que uma geração já teve ao seu dispor. E todos, de mãos dadas na ciranda de celebração da mediocridade, seguem acreditando que o Brasil é bom, que o PT é legal e que no final tudo vai dar certo. Afinal, é assim que sempre acontece na TV.

Hora de arregaçar as mangas

Todo blog tem seu primeiro post, e esse é o meu.

Depois de buzinar incessantemente nos ouvidos de minha esposa a minha indignação com os rumos que o Brasil tem tomado, principalmente na era PT, ela me disse: se você tem tanta coisa assim para dizer, por que não faz um Blog e compartilha suas ideias? Eu até gostei da sugestão, mas fiquei um bom tempo pensando no assunto, pois um Blog é como uma planta: exige algum cuidado – se não “regar” todo dia ele morre. E isso implicaria em escrever ao menos um artigo por dia, para manter o negócio ativo.

E não é que depois de alguns meses eu me deparei com a situação em que eu já estava escrevendo diariamente no Facebook, bradando contra as canalhices da esquerda que tanto me dão desgosto, e aí me pareceu lógico fazer esse Blog. Mas existia algo no caminho que ainda me impedia de começar: a preguiça.

Mas a preguiça foi chutada na bunda ontem à tarde, na cama, após um belo almoço no Lia Giorno lá do Shopping Jardim Sul (quem conhece sabe que você sai muito satisfeito de lá), quando assisti, junto com minha esposa, ao documentário AGENDA: Grinding America Down (http://www.youtube.com/watch?v=uDo8xAQGrI8). Depois de uma hora e meia eu vi que precisava me juntar a tantos outros que estão lutando contra aquilo que ameaça acabar com a liberdade de todos os homens, o comunismo.

Eu poderia usar outras palavras aqui, pois muita gente pensa que o comunismo acabou quando a União Soviética se desmantelou. Mas seria irresponsável de minha parte, pois não existe outra palavra para descrever o comunismo, senão essa: COMUNISMO. É o que está por trás de toda a agenda esquerdista, é o estágio final de toda e qualquer estratégia socialista, social-democrata, progressista, pragmatista, coletivista e outros nomes bonitinhos que a esquerda tenta colar, só para não usar o que realmente é: o mau e velho comunismo.

Enfim, a tarefa que me cabe nesta luta é publicar, denunciar e expor as canalhices da esquerda, na esperança de que aquele que vier a ler este Blog, caso ainda esteja cegado pela esquerda, achando que vive numa democracia e que as coisas no Brasil “ainda não estão tão ruins”, possa finalmente enxergar por trás das maquiagens e cenários, e com isso decidir-se por entrar nesta guerra ideológica que vivemos. Precisamos de mais blogueiros, professores, políticos, intelectuais, líderes religiosos, formadores de opinião, enfim, de muito mais gente que abrace a ideologia da direita e do conservadorismo, para então fazer um contraponto à maquina esquerdista, que hoje ocupa todos os postos de influência: os sindicatos, as universidades, os partidos políticos, as agências governamentais e o sistema educacional como um todo.

A esquerda se preparou durante décadas, se infiltrando, dominando de dentro para fora, e semelhante ação nos é requerida, ainda que leve décadas. Enquanto tivermos liberdade para escrever abertamente na internet, como faço agora através deste Blog, escrevamos, pois a continuarem as ações do atual governo, essa liberdade está com os dias contados. E aí a guerra entrará num nível que exigirá um compromisso muito maior do que simplesmente escrever, debater e agir na normalidade. Quando o comunismo realmente é implantado em uma nação, as pessoas passam a pagar com suas vidas pela liberdade.