Eu sou você amanhã

brasilvenezuelaA Venezuela não se cansa de nos dar exemplos do que não fazer, e nós também não nos cansamos de ignorar esse exemplos e fazer exatamente o que não se deve. Embora muitas pessoas insistam em acreditar e dizer que o Brasil não é a Venezuela, e que não há como acontecer aqui tudo o que aconteceu por lá, quem olhar para uma década atrás verá que a Venezuela daquela época estava sendo preparada para o totalitarismo comunista em estágios semelhantes ao que vivemos hoje no Brasil. O então presidente (e hoje semi-deus) Hugo Chávez havia aparelhado as instituições democráticas como o PT vem fazendo no Brasil, conseguindo maiorias em todas elas: Câmara, Senado e Suprema Corte. O Brasil,  uma década depois da Venezuela, também tem suas instituições tomadas pela corja petista, com maioria nessas três casas. Esse processo se consolidou neste ano, na última troca de ministros do STF, troca que garantiu aos réus do Mensalão a impunidade, como todos puderam ver alguns meses atrás.

Outra semelhança com uma década de diferença diz respeito à indignação popular e à tentativa de mudança, na base da revolta. Em 2002 houve uma revolta popular anti-Chávez com a tomada do poder, por menos de dois dias, por Pedro Carmona, presidente da Federação Venezuelana de Câmaras de Comércio. Por falta de apoio popular e também contando com a força de sua Guarda Presidencial, Chávez retomou o poder rapidamente e a partir daquele momento acelerou o processo de endurecimento autoritário de seu governo. Uma década depois vimos no Brasil os movimentos de rua que por duas semanas mostraram a revolta de setores da população brasileira com o governo atual, mas que também foram rapidamente sufocados com a inserção de manifestantes pró-governo no meio das multidões que protestavam e com a ação de milícias terroristas (os tais black blocs) para incitar violência e medo nas multidões. O governo petista não só resistiu a esse período de revoltas, mas viu a popularidade da presidente mais despreparada e incapaz da história retornar a patamares de aprovação dignos de um Reagan ou de uma Thatcher. E o equivalente da Guarda Presidencial de Chávez existe no Brasil e se chama Força Nacional de Segurança, a guarda pretoriana de Dilma Roussef.

Se estamos sempre fazendo as burradas da Venezuela uma década depois, o que será que veremos no Brasil em 2023? Futurologia nunca foi uma de minhas especialidades, mas prever esse futuro é mais fácil do que fazer aquelas previsões que ouvimos na Globo, na virada do ano, geralmente da boca de algum pai-de-santo, do tipo “no ano que entra veremos a morte de uma celebridade muito querida” ou “no próximo ano o mundo assistirá a uma tragédia natural”. Pois eu digo que, se em 2014 o povo brasileiro mantiver o PT no Governo Federal, em 2023 podemos contar com falta de papel higiênico, com supermercados vazios, com Natal antecipado, com a comemoração do Dia de São Lula (até lá ele já deve ter morrido – ninguém bebe tanta cachaça em uma vida só e fica impune), e o pior de tudo, com a implantação dos últimos estágios para o regime comunista, com a supressão total de liberdades e o início de prisões e assassinatos daqueles que não aderirem à “revolução”.

As notícias de hoje sobre o governo venezuelano são de que Maduro está a um voto, na Assembleia Nacional, de conseguir aprovar uma lei (a lei Habilitante) que o permitirá governar por decretos em situações de crise nacional. E a crise que ele enfrenta no momento é a do desabastecimento generalizado, situação criada pelo próprio governo com suas medidas intervencionistas, a estatização de empresas e a inflação que vem subindo a galope. A última medida de Maduro, que corta os preços de eletrônicos e eletrodomésticos em até 77% por decreto, causou a ida de multidões às lojas para aproveitar a redução, já que antes do decreto uma TV de 47 polegadas custava apenas o equivalente a R$ 40.000,00.

Até uma criança sabe que não se baixa preços e não se acaba com a inflação e com o desabastecimento por decreto. A economia venezuelana vem sendo destruída sistematicamente por seus governantes, e agora, quando já se encontra em coma, ela cobra o preço de tantos anos de esquerdismo desenfreado: falência total e completa do país, mesmo com todas as reservas de petróleo que a Venezuela possui em seu território. Mas não devemos entender essa situação como uma simples burrice de Chávez e agora de Maduro. Na verdade, tudo vem sendo feito para conduzir o país exatamente ao ponto de tornar a situação tão insuportável que o caos seja inevitável, “obrigando” Maduro a se utilizar de mecanismos totalitários para condução do poder. É o que ele espera conseguir com a tentativa de aprovação da lei Habilitante.

Lembra da propaganda da vodca Orloff? Se você não lembra ou é novo demais para ter visto, não deixe de conferir este vídeo, e imagine a Venezuela dizendo isso para nós: eu sou você, amanhã. Vamos realmente acordar daqui a dez anos com uma ressaca enorme de duas décadas de governo esquerdista, e ver que não existe Engov no mundo que nos ajude a sair dela? Tudo dependerá das eleições de 2014. Veremos…

Bandido bom é…

jailcell2_1Qual foi o complemento da frase que passou imediatamente em sua cabeça quando você leu as três palavras do título? Esse complemento diz muito sobre sua inclinação política e sobre o seu caráter. Vou contar uma breve história, mas fique com esse complemento em mente, pois você vai precisar dele mais tarde para finalizarmos o texto.

Tenho amigos e conhecidos que moram no Rio de Janeiro, e por mais que cariocas e paulistanos tenham uma certa rixa regionalista, uma coisa temos em comum: vivemos em constante estado de temor por nossa segurança. Por mais que vejamos notícias de assaltos, homicídios, sequestros e arrastões, eu nunca havia tido o infortúnio de passar por uma situação mais perigosa, e nem mesmo conhecia alguém que tivesse passado. Mas isso foi até sábado passado, quando vi o post de Facebook de um conhecido do Rio, pedindo que enviássemos nossos contatos novamente pois ele havia sido sequestrado e passado mais de três horas em poder dos bandidos.

Sabendo do ocorrido, consegui falar com ele no dia seguinte. Os detalhes foram assustadores: ele foi pego por quatro bandidos, que o fizeram trocar de veículo e acompanhá-los por diversos bancos e lojas para realizar saques e compras nos cartões de débito. Um dos bandidos carregava uma granada e ficava tirando e recolocando o pino de segurança, e houve momentos em que ensacaram a cabeça da vítima que, pai de família e com suas crianças esperando em casa, pensou que jamais os abraçaria novamente.

Uma coisa que esse conhecido me contou foi que os bandidos, em vários momentos, se referiam ao que estavam fazendo como “trabalho”. Lembrei imediatamente de um depoimento recente que saiu em portais de notícias e nas mídias sociais de uma mãe de bandido que sabia que seu filho saía para assaltar e diante das câmeras dizia “ele sai para trabalhar toda manhã”. Parece apenas uma gíria, um modo de falar, mas quando uma pessoa acredita que sair para cometer crimes é um trabalho, qual a chance dessa pessoa abandonar essa vida de crimes e sair em busca de um trabalho de verdade? Nenhuma! A partir do momento em que se subverte o significado de “trabalho” em algo tão torpe e tão longe do significado original da palavra, a perda de conexão do símbolo com o real afeta todos os outros símbolos (palavras) que se relacionam a ela. Por exemplo: se eu acredito que roubar é uma forma de trabalho, então vou acabar acreditando que roubar é aceitável, pois o trabalho é algo não somente aceitável, mas desejável em nossa sociedade. Além disso, para tornar esse conceito palatável a mim mesmo terei que acreditar que o bandido não tem culpa do que faz. E assim por diante.

Voltemos agora ao início do texto, e ao que passou em sua mente. Se você pensou logo em complementos do tipo “Bandido bom é bandido preso” ou “Bandido bom é bandido morto”, é porque você é um cidadão normal, que preza pela vida, que acredita que as pessoas são responsáveis por seus atos, e que sabe que lugar de bandido é na cadeia.

Mas, incrivelmente, vemos gente que completa essa frase com “Bandido bom é todo bandido, pois são injustiçados pela sociedade e não têm outra opção senão o crime”. Se você pensou assim, meus pêsames: sua mente já foi dominada pela ideologia nojenta e repugnante de um dos homens que mais causou mal ao mundo, Jean-Jacques Rousseau. Esse imbecil conseguiu construir um arcabouço de ideias absurdas que tentam provar que o homem é bonzinho, mas a sociedade o corrompe e praticamente o obriga a ser um criminoso.

A sociedade brasileira não suporta mais o modo leniente e a impunidade com que são tratados os bandidos que nos tiram a paz e a vida. Nossos 50.000 mortos por ano nos tornam um dos países mais violentos do mundo, e nossas ONGs e órgãos de defesa dos direitos humanos continuam do lado errado. Esse é o modo que a esquerda opera, por mais antagônico que seja ao desejo da população.

Em 2014, Direitas Já!

O Marco Petista da Internet

censuradoUma das maneiras mais sórdidas que os governos de esquerda utilizam para controlar as empresas e a economia de uma nação são as infinitas regulamentações sobre as diferentes atividades econômicas e as taxações sobre lucros. Ambas causam o mesmo efeito: diminuição de lucros com decorrente desestímulo à atividade empresarial, que no longo prazo leva à falência de empresas e deterioração da economia. Assim, a cada nova regra ou imposto criados, o Governo dificulta a vida dos empresários, e ao mesmo tempo lança linhas de crédito e programas para “ajudar” esses mesmos empresários, num movimento claramente planejado, com o único propósito de ganhar cada vez mais controle sobre as empresas. A conversa é mais ou menos a seguinte:

– Você está lucrando muito! Quero uma parte dos seus lucros para governar melhor.

– Ok Governo. Aqui está sua parte.

– Ainda é pouco!!! Quero mais, e também criei umas regras novas que você vai precisar seguir.

– Mas Governo, nessas condições eu vou acabar quebrando! Vou ter que demitir muita gente!

– Hmmm… É verdade. Então façamos o seguinte: eu não abro mão do aumento de impostos e nem das novas regras, mas vou te emprestar um dinheiro da Caixa Econômica a juros baixinhos, e criar uma agência de fomento à sua atividade econômica.

E nesse momento o empresário percebeu que está ferrado. Afinal, se inicialmente havia apenas ele e seus concorrentes vendendo e lucrando, agora o montante de gente que precisa ser remunerado com a mesma geração de riqueza é muito maior! Adicionaram-se os órgãos governamentais de tributação e fiscalização, o banco, a agência de regulamentação, a agência de fomento, e mais uma miríade de petistas vagabundos que precisam conseguir seu sustento parasitando alguém que realmente trabalha. Para manter a lucratividade em níveis aceitáveis o empresário precisa aumentar o valor de venda de seus produtos e serviços, porque a única opção restante seria fechar as portas. E aí o pagador-mor de patos e engolidor-mor de sapos paga por isso – ele mesmo, o cliente final.

O desGoverno petista já colocou suas mãos em muitos setores da economia para atrapalhar, e a bola da vez talvez seja o mais dinâmico e criador de riquezas da atualidade: a internet. Criada e crescida em total liberdade, esse monstro gerador de riquezas, que tem servido de berço para empresas como Google, Facebook e Yahoo, e impulsionado outras gigantes do setor de informática como Apple, Microsoft e HP, está sob ataque no Brasil. Com o pretexto absurdo de garantir a segurança dos dados brasileiros, a presidANTA Dilma quer forçar a aprovação de um texto modificado que impede as empresas de telecomunicações de cobrarem por serviços de forma customizada, algo que poderia baixar o custo de acesso de muita gente, e obrigando grandes empresas geradoras de dados a manterem no Brasil centros de armazenamento imunes à espionagem americana.

Sobre a primeira questão, é novamente a interferência do Estado num setor da economia que segue tão bem e em crescimento acelerado. Querem diminuir a autonomia das empresas em lidar com seus diferentes segmentos de clientes, com o discurso imbecil de “igualdade de acesso”. Ora, qual é o problema da empresa de telecom me cobrar um valor diferente do meu vizinho, se eu e meu vizinho utilizamos a internet de forma bem diferente? Se ele fica o dia todo baixando filmes e eu apenas uso a minha conexão para enviar e receber e-mails, o que há de injusto em cobrar valores diferentes para nós dois?

Já a segunda questão é mais séria, pois envolve a disponibilização de nossos dados ao Governo. Um esquerdista jamais toma uma decisão e cria uma regra, uma regulamentação, sem uma segunda intenção, que geralmente ele mantém em segredo. Neste caso a exigência será de que as empresas mantenha centros de armazenamento de dados no Brasil, para evitar o acesso indevido de dados, tudo feito com base no teatro montado pela senhora Dilma, terrorista de carteirinha, em relação à espionagem norte-americana envolvendo as conversas da referida presidANTA. Mas, como sempre, só não enxerga quem não quer: esta exigência levará necessariamente a uma situação em que o Governo tenha como vasculhar nossos dados, nossos posts de Facebook, nossos e-mails, nossos blogs, enfim, toda a parcela de nossa vida que está hoje nas mãos de Google, Yahoo, Facebook, LinkedIn etc. E num governo que não tem nenhum apreço pela liberdade, que adora uma censura, e que persegue seus opositores, isso não será nada bom.

O Marco Civil da Internet, no texto que o PT quer aprovar, é o início da tirania petista no último bastião de resistência da direita no Brasil. A situação é delicada e o futuro está em jogo.

A idiota útil do momento – Luisa Mell

Ontem, antes de dormir, li duas notícias que deixam claro o nível de imbecilidade e de retrocesso que estamos vivendo no Brasil. A primeira informa que o Instituto Royal, aquele dos beagles, vai fechar, por conta do ambiente hostil e de insegurança para suas pesquisas (veja notícia dO Globo). Quem acompanhou o caso viu uma personagem que tentou se destacar e ganhar visibilidade, a idiota útil do momento, Luisa Mell. O que me leva à segunda notícia que li, de que a tal idiota útil filiou-se ao PMDB três semanas antes dos acontecimentos com os beagles do Instituto Royal (veja notícia do R7).

Puxa, que coincidência, não é? O Instituto Royal vinha fazendo pesquisas com animais há anos, sem ninguém aparecer por lá para atrapalhá-los. Aí uma artista de segunda classe com um projeto político resolve que vai se candidatar a um cargo eletivo, filia-se a um partido, e três semanas depois essa mesma pessoa está lá, liderando uma marcha de zumbis tupiniquins a serviço da agenda esquerdista. Não, isso não é coincidência, por mais que a própria Luisa Mell tente mentir, quando diz que “Não pretendo me candidatar. Mas as grandes vitórias que eu tenho estão na política. A gente não muda um país sem ajuda dos políticos”. Na verdade, quando ela diz isso está repetindo o comportamento de todos os esquerdistas brasileiros: mentir com a certeza de que ninguém se lembrará, e caso alguém se lembre basta se justificar dizendo que as circunstâncias mudaram, e que o momento pede uma decisão diferente. Se você não consegue lembrar de exemplos, aqui vão dois: Lula demonizava Sarney, Maluf e Collor e agora os abraça e os afaga, e Serra dizia que não deixaria a prefeitura para concorrer a governador, e fez exatamente isso. Enfim, a esquerda é mentirosa desde o seu princípio.

Se eu tivesse saído da minha casa para ir atrás dessa Luisa Mell e depois descobrisse que foi tudo uma manobra para ganhar espaço na mídia e visibilidade eleitoral, eu ficaria muito bravo. Me sentiria um idiota, um bocó que foi usado para o plano de poder de outrem. Mas é claro que os idiotas úteis que seguiram a idiota-útil-mor não pensam assim, pelo simples fato de que o brasileiro tem sido sistematicamente educado para não pensar, mas para seguir mansamente o rebanho. E o adestramento do brasileiro vai além, com requintes alucinógenos: as pessoas se comportam exatamente como seus líderes manipuladores esperam, mas acham que estão se comportando como super-revolucionários das causas salvadoras do mundo. E isso vai se repetindo em níveis hierárquicos, onde o mais idiota está embaixo, e conforme vai se subindo no organograma infernal da esquerda, a idiotice torna-se em canalhice e vileza. Assim, um Lula, um Dirceu ou um Marco Aurélio Garcia têm plena consciência e poder decisório sobre a agenda revolucionária que pretende tornar o Brasil uma ditadura comunista. Outros como um Jean Wyllys, por exemplo, têm consciência desta agenda e trabalham por ela – são canalhas com menos poder nas mãos. Mas quando se chega ao nível de uma Luisa Mell, aí é que se encontram os militantes que pouco sabem sobre a agenda revolucionária, mas que compõem uma casta de futuros líderes para grupos de militantes alienados, prontos a defender qualquer causa que tão somente lhes pareça justa.

Não é difícil enxergar o futuro dessa apresentadora de TV e “defensora dos animais”. Bastam mais duas ou três palhaçadas como essa do Instituto Royal para que a candidatura de Luisa Mell esteja consolidada, e uma vez eleita podemos esperar projetos de lei imbecis que proibam quaisquer testes com animais no país, de cachorros a camundongos, e quem sabe alguma lei mais absurda ainda sobre o abate de animais para consumo, prática que a apresentadora, vegetariana, é contra. Afinal, se a Câmara Municipal de São Paulo conseguiu proibir o consumo de Foie Gras (veja notícia no G1), não seria nada exagerado imaginar um futuro em que nossos políticos iluminados nos proibam de comer qualquer proteína animal.

Nossa única esperança é resgatar os idiotas úteis de seu estado de dormência intelectual. Conto com você para isso, meu leitor. Imaginei agora um esquema desses de pirâmide, que as pessoas fazem para vender perfumes, shakes emagrecedores e produtos de limpeza, mas aplicado para a desidiotização dos brasileiros. A pessoa começa com um idiota sob sua responsabilidade, consegue desidiotizá-lo, aí recebe mais um idiota, enquanto que o seu primeiro ex-idiota agora recebe o seu próprio idiota e assim por diante. Que fantástico seria quando um membro da nossa Pirâmide Intelectual recebesse o título de Membro Diamante Master, por ter livrado mais de 100 idiotas úteis das garras da esquerda…

Hora de arregaçar as mangas

Todo blog tem seu primeiro post, e esse é o meu.

Depois de buzinar incessantemente nos ouvidos de minha esposa a minha indignação com os rumos que o Brasil tem tomado, principalmente na era PT, ela me disse: se você tem tanta coisa assim para dizer, por que não faz um Blog e compartilha suas ideias? Eu até gostei da sugestão, mas fiquei um bom tempo pensando no assunto, pois um Blog é como uma planta: exige algum cuidado – se não “regar” todo dia ele morre. E isso implicaria em escrever ao menos um artigo por dia, para manter o negócio ativo.

E não é que depois de alguns meses eu me deparei com a situação em que eu já estava escrevendo diariamente no Facebook, bradando contra as canalhices da esquerda que tanto me dão desgosto, e aí me pareceu lógico fazer esse Blog. Mas existia algo no caminho que ainda me impedia de começar: a preguiça.

Mas a preguiça foi chutada na bunda ontem à tarde, na cama, após um belo almoço no Lia Giorno lá do Shopping Jardim Sul (quem conhece sabe que você sai muito satisfeito de lá), quando assisti, junto com minha esposa, ao documentário AGENDA: Grinding America Down (http://www.youtube.com/watch?v=uDo8xAQGrI8). Depois de uma hora e meia eu vi que precisava me juntar a tantos outros que estão lutando contra aquilo que ameaça acabar com a liberdade de todos os homens, o comunismo.

Eu poderia usar outras palavras aqui, pois muita gente pensa que o comunismo acabou quando a União Soviética se desmantelou. Mas seria irresponsável de minha parte, pois não existe outra palavra para descrever o comunismo, senão essa: COMUNISMO. É o que está por trás de toda a agenda esquerdista, é o estágio final de toda e qualquer estratégia socialista, social-democrata, progressista, pragmatista, coletivista e outros nomes bonitinhos que a esquerda tenta colar, só para não usar o que realmente é: o mau e velho comunismo.

Enfim, a tarefa que me cabe nesta luta é publicar, denunciar e expor as canalhices da esquerda, na esperança de que aquele que vier a ler este Blog, caso ainda esteja cegado pela esquerda, achando que vive numa democracia e que as coisas no Brasil “ainda não estão tão ruins”, possa finalmente enxergar por trás das maquiagens e cenários, e com isso decidir-se por entrar nesta guerra ideológica que vivemos. Precisamos de mais blogueiros, professores, políticos, intelectuais, líderes religiosos, formadores de opinião, enfim, de muito mais gente que abrace a ideologia da direita e do conservadorismo, para então fazer um contraponto à maquina esquerdista, que hoje ocupa todos os postos de influência: os sindicatos, as universidades, os partidos políticos, as agências governamentais e o sistema educacional como um todo.

A esquerda se preparou durante décadas, se infiltrando, dominando de dentro para fora, e semelhante ação nos é requerida, ainda que leve décadas. Enquanto tivermos liberdade para escrever abertamente na internet, como faço agora através deste Blog, escrevamos, pois a continuarem as ações do atual governo, essa liberdade está com os dias contados. E aí a guerra entrará num nível que exigirá um compromisso muito maior do que simplesmente escrever, debater e agir na normalidade. Quando o comunismo realmente é implantado em uma nação, as pessoas passam a pagar com suas vidas pela liberdade.