A idiota útil do momento – Luisa Mell

Ontem, antes de dormir, li duas notícias que deixam claro o nível de imbecilidade e de retrocesso que estamos vivendo no Brasil. A primeira informa que o Instituto Royal, aquele dos beagles, vai fechar, por conta do ambiente hostil e de insegurança para suas pesquisas (veja notícia dO Globo). Quem acompanhou o caso viu uma personagem que tentou se destacar e ganhar visibilidade, a idiota útil do momento, Luisa Mell. O que me leva à segunda notícia que li, de que a tal idiota útil filiou-se ao PMDB três semanas antes dos acontecimentos com os beagles do Instituto Royal (veja notícia do R7).

Puxa, que coincidência, não é? O Instituto Royal vinha fazendo pesquisas com animais há anos, sem ninguém aparecer por lá para atrapalhá-los. Aí uma artista de segunda classe com um projeto político resolve que vai se candidatar a um cargo eletivo, filia-se a um partido, e três semanas depois essa mesma pessoa está lá, liderando uma marcha de zumbis tupiniquins a serviço da agenda esquerdista. Não, isso não é coincidência, por mais que a própria Luisa Mell tente mentir, quando diz que “Não pretendo me candidatar. Mas as grandes vitórias que eu tenho estão na política. A gente não muda um país sem ajuda dos políticos”. Na verdade, quando ela diz isso está repetindo o comportamento de todos os esquerdistas brasileiros: mentir com a certeza de que ninguém se lembrará, e caso alguém se lembre basta se justificar dizendo que as circunstâncias mudaram, e que o momento pede uma decisão diferente. Se você não consegue lembrar de exemplos, aqui vão dois: Lula demonizava Sarney, Maluf e Collor e agora os abraça e os afaga, e Serra dizia que não deixaria a prefeitura para concorrer a governador, e fez exatamente isso. Enfim, a esquerda é mentirosa desde o seu princípio.

Se eu tivesse saído da minha casa para ir atrás dessa Luisa Mell e depois descobrisse que foi tudo uma manobra para ganhar espaço na mídia e visibilidade eleitoral, eu ficaria muito bravo. Me sentiria um idiota, um bocó que foi usado para o plano de poder de outrem. Mas é claro que os idiotas úteis que seguiram a idiota-útil-mor não pensam assim, pelo simples fato de que o brasileiro tem sido sistematicamente educado para não pensar, mas para seguir mansamente o rebanho. E o adestramento do brasileiro vai além, com requintes alucinógenos: as pessoas se comportam exatamente como seus líderes manipuladores esperam, mas acham que estão se comportando como super-revolucionários das causas salvadoras do mundo. E isso vai se repetindo em níveis hierárquicos, onde o mais idiota está embaixo, e conforme vai se subindo no organograma infernal da esquerda, a idiotice torna-se em canalhice e vileza. Assim, um Lula, um Dirceu ou um Marco Aurélio Garcia têm plena consciência e poder decisório sobre a agenda revolucionária que pretende tornar o Brasil uma ditadura comunista. Outros como um Jean Wyllys, por exemplo, têm consciência desta agenda e trabalham por ela – são canalhas com menos poder nas mãos. Mas quando se chega ao nível de uma Luisa Mell, aí é que se encontram os militantes que pouco sabem sobre a agenda revolucionária, mas que compõem uma casta de futuros líderes para grupos de militantes alienados, prontos a defender qualquer causa que tão somente lhes pareça justa.

Não é difícil enxergar o futuro dessa apresentadora de TV e “defensora dos animais”. Bastam mais duas ou três palhaçadas como essa do Instituto Royal para que a candidatura de Luisa Mell esteja consolidada, e uma vez eleita podemos esperar projetos de lei imbecis que proibam quaisquer testes com animais no país, de cachorros a camundongos, e quem sabe alguma lei mais absurda ainda sobre o abate de animais para consumo, prática que a apresentadora, vegetariana, é contra. Afinal, se a Câmara Municipal de São Paulo conseguiu proibir o consumo de Foie Gras (veja notícia no G1), não seria nada exagerado imaginar um futuro em que nossos políticos iluminados nos proibam de comer qualquer proteína animal.

Nossa única esperança é resgatar os idiotas úteis de seu estado de dormência intelectual. Conto com você para isso, meu leitor. Imaginei agora um esquema desses de pirâmide, que as pessoas fazem para vender perfumes, shakes emagrecedores e produtos de limpeza, mas aplicado para a desidiotização dos brasileiros. A pessoa começa com um idiota sob sua responsabilidade, consegue desidiotizá-lo, aí recebe mais um idiota, enquanto que o seu primeiro ex-idiota agora recebe o seu próprio idiota e assim por diante. Que fantástico seria quando um membro da nossa Pirâmide Intelectual recebesse o título de Membro Diamante Master, por ter livrado mais de 100 idiotas úteis das garras da esquerda…

Hora de arregaçar as mangas

Todo blog tem seu primeiro post, e esse é o meu.

Depois de buzinar incessantemente nos ouvidos de minha esposa a minha indignação com os rumos que o Brasil tem tomado, principalmente na era PT, ela me disse: se você tem tanta coisa assim para dizer, por que não faz um Blog e compartilha suas ideias? Eu até gostei da sugestão, mas fiquei um bom tempo pensando no assunto, pois um Blog é como uma planta: exige algum cuidado – se não “regar” todo dia ele morre. E isso implicaria em escrever ao menos um artigo por dia, para manter o negócio ativo.

E não é que depois de alguns meses eu me deparei com a situação em que eu já estava escrevendo diariamente no Facebook, bradando contra as canalhices da esquerda que tanto me dão desgosto, e aí me pareceu lógico fazer esse Blog. Mas existia algo no caminho que ainda me impedia de começar: a preguiça.

Mas a preguiça foi chutada na bunda ontem à tarde, na cama, após um belo almoço no Lia Giorno lá do Shopping Jardim Sul (quem conhece sabe que você sai muito satisfeito de lá), quando assisti, junto com minha esposa, ao documentário AGENDA: Grinding America Down (http://www.youtube.com/watch?v=uDo8xAQGrI8). Depois de uma hora e meia eu vi que precisava me juntar a tantos outros que estão lutando contra aquilo que ameaça acabar com a liberdade de todos os homens, o comunismo.

Eu poderia usar outras palavras aqui, pois muita gente pensa que o comunismo acabou quando a União Soviética se desmantelou. Mas seria irresponsável de minha parte, pois não existe outra palavra para descrever o comunismo, senão essa: COMUNISMO. É o que está por trás de toda a agenda esquerdista, é o estágio final de toda e qualquer estratégia socialista, social-democrata, progressista, pragmatista, coletivista e outros nomes bonitinhos que a esquerda tenta colar, só para não usar o que realmente é: o mau e velho comunismo.

Enfim, a tarefa que me cabe nesta luta é publicar, denunciar e expor as canalhices da esquerda, na esperança de que aquele que vier a ler este Blog, caso ainda esteja cegado pela esquerda, achando que vive numa democracia e que as coisas no Brasil “ainda não estão tão ruins”, possa finalmente enxergar por trás das maquiagens e cenários, e com isso decidir-se por entrar nesta guerra ideológica que vivemos. Precisamos de mais blogueiros, professores, políticos, intelectuais, líderes religiosos, formadores de opinião, enfim, de muito mais gente que abrace a ideologia da direita e do conservadorismo, para então fazer um contraponto à maquina esquerdista, que hoje ocupa todos os postos de influência: os sindicatos, as universidades, os partidos políticos, as agências governamentais e o sistema educacional como um todo.

A esquerda se preparou durante décadas, se infiltrando, dominando de dentro para fora, e semelhante ação nos é requerida, ainda que leve décadas. Enquanto tivermos liberdade para escrever abertamente na internet, como faço agora através deste Blog, escrevamos, pois a continuarem as ações do atual governo, essa liberdade está com os dias contados. E aí a guerra entrará num nível que exigirá um compromisso muito maior do que simplesmente escrever, debater e agir na normalidade. Quando o comunismo realmente é implantado em uma nação, as pessoas passam a pagar com suas vidas pela liberdade.