O mundo está chato mesmo

Artigo publicado na Gazeta do Povo de Curitiba, seção Opinião, coluna Flavio Quintela, em 25 de fevereiro de 2016.

limoesO último comercial da Pepsi, em que dois limões reclamam da chatice mimizenta em vigor nos tempos atuais, é fantástico. Não só pelo humor irônico à disposição desde o primeiro segundo da peça, mas pelo poder de evidenciar o seu tema de forma tão viva: bastou sua veiculação para que os ofendidos de plantão, os paladinos do politicamente correto e todos os afetados por essa doença chamada vitimismo, fossem em seu combate.

No Twitter, comentários que vão desde moderados como “comercial de mau gosto” até absurdos doentios como “comercial da Pepsi > escravidão > Holocausto > 11 de Setembro” mostram que a temática da peça não só está corretíssima, mas que foi imediatamente aplicada a ela mesma. E a insanidade não parte apenas de alguns consumidores, mas também do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), que levará o comercial a julgamento por possível deboche e depreciação de minorias, mesmo não havendo nenhuma menção a nenhuma minoria, a não ser a dos limões, grupo social cujos membros, até o momento, não se pronunciaram sobre o assunto.

O politicamente correto é uma das grandes desgraças desta geração. Embora possa parecer, de início, algo sem muita importância ou sem consequências graves, a aplicação sistemática da mentalidade de proteger as pessoas de suas ditas fraquezas à custa das liberdades individuais, nas últimas décadas, resultou numa geração de incapacitados para a vida adulta real. Por vida adulta real entenda-se aquela em que a pessoa tem momentos de alegria e de sofrimento, passa por injustiças e também por situações justas, é amada e odiada, tem amigos e gente que não a suporta, recebe elogios e xingamentos, é exaltada e ridicularizada. Mas, para viver a vida adulta real, é necessário ser adulto de verdade, o que pressupõe uma autoconfiança suficiente para resistir às provas diárias e uma autoestima que leve à mais libertadora de todas as experiências humanas: rir de si mesmo.

Se as pessoas forem incapazes de suportar as dificuldades mais simples da vida, aquelas que podem ser resolvidas apenas com uma mudança de atitude própria, o que farão diante de situações realmente desafiadoras, como um colapso financeiro, uma doença grave, um divórcio ou uma morte na família? Se precisam ser protegidas até mesmo de palavras que não lhes são pessoalmente direcionadas, como enfrentarão ameaças reais às suas vidas? A resposta a essas perguntas é a própria razão da existência dos governos assistencialistas de esquerda: você não precisa ser autossuficiente nem autoconfiante, porque o Estado está aqui para cuidar de você. O Estado não deixará que ninguém o ofenda, que ninguém tire seu emprego, que ninguém ameace seu mundo perfeito de paz e felicidade. O problema é que, ainda que esse mundo “perfeito” fosse possível, seu preço – a supressão das liberdades individuais – seria alto demais. Mas a situação ganha ares de ficção científica diante de uma análise da realidade: em troca do confisco de suas liberdades e de seu dinheiro, o povo recebe um pedaço de papel de pão com os dizeres “prometo que tudo vai ficar bem”, assinado pelo papai Estado.

É papel importantíssimo dos pais a orientação para que seus filhos aprendam que não são vítimas, mas protagonistas com vontade própria; que não são indefesos, mas resistentes e resilientes; que não são dependentes de nenhum governo, mas capazes de criar riqueza e bem-estar com suas próprias mãos. E, acima de tudo, ensiná-los a… (clique aqui para acessar o restante do artigo na página do jornal).

Flavio Quintela é escritor, jornalista e tradutor. É autor dos livros “Mentiram (e muito) para mim” e Mentiram para mim sobre o desarmamento”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s