Minha carta à revista Veja

Depois da vergonhosa Carta ao Leitor e da “matéria especial” onde Veja se coloca do lado dos desarmamentistas, tudo com base em informações falsas e mentirosas, enviei esta carta à redação da revista. 

Ao editor de Veja

Um debate público sério se faz com pessoas opinando, escrevendo e falando sobre determinado assunto, de forma verdadeira e fundamentada. Em qualquer país minimamente desenvolvido isso significa diversas obras escritas por quem é contra e um outro tanto por quem é a favor, formando uma bibliografia científica sobre o assunto, que serve de base tanto para a imprensa séria como para a população em geral.

O desarmamento é um tema que nunca foi discutido seriamente. Não há pesquisas e obras escritas com embasamento lógico, estatístico e científico a seu favor, e o motivo é simples: não é possível provar que o desarmamento é bom. As poucas obras que defendem essa ideia liberticida são desonestas, utilizam manipulação estatística e não seriam aprovadas em nenhuma análise de cunho científico, daquelas que são feitas para se atribuir prêmios ou reconhecimento público a qualquer pesquisa séria.

No Brasil, a coisa é muito pior. De um lado há obras bem fundamentadas, algumas traduzidas para a língua portuguesa – como as obras de John Lott e de Joyce Malcolm -, e uma inteiramente nacional e de ampla vendagem da autoria deste que vos escreve, Flavio Quintela, e de Bene Barbosa – Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento. Do outro lado há a imprensa porca e preguiçosa, as ONGs financiadas pelo governo de esquerda e os políticos de esquerda. Todos utilizam a mesma tática desprezível: citar pesquisas inexistentes, utilizar estatísticas manipuladas, citar fontes sem comprovação e abusar das mentiras. É com muita tristeza e decepção que constato a presença de Veja neste grupo. A publicação que eu ainda considerava digna de ser lida finalmente se entrega ao jeito porco e canalha de se fazer jornalismo, ou melhor dizendo, pseudo-jornalismo. A Carta ao Leitor e a “matéria especial” da última edição são vergonhosos em seu conteúdo, e compõem um capítulo lamentável do jornalismo brasileiro.

Não há justificativa para o uso de mentiras numa reportagem. Nem mesmo a atribuição de uma matéria sobre assunto tão importante a um jornalista tão pouco experiente como Kalleo Coura serve de desculpa para um papelão como esse. Além de me ser dolorido constatar essa mudança de posicionamento de Veja, pior ainda é perceber que a revista agora faz o mesmo tipo de jornalismo que eu tanto critiquei em publicações como Carta Capital e Isto É. Isso é uma verdadeira traição a um público fiel e que depositava esperanças na revista. Tivéssemos eu e Bene o poder midiático de Veja para divulgar nosso trabalho e nossas pesquisas bem fundamentadas, e não restaria um cidadão de bem sequer como assinante de Veja, tamanha foi a afronta da revista à verdade.

Com pesar,

Flavio Quintela
flavioquintela.com

3 comentários sobre “Minha carta à revista Veja

  1. Compro Veja todas as semanas na banca, mas hoje não vou comprar em protesto. Sempre fui um divulgador das matérias de Veja junto a amigos e familiares.
    Me senti traido pela revista com esta matéria do jornalista Kalleo Koura. Escrevi para Veja manifestando meu descontentamento com a referida matéria. Tenho notado nos últimos anos, a tendência esquerdista e desarmamentistas dos novos jornalistas. Muitas universidades hoje, são como rainhas no ninho, gerando cupins esquerdistas que transformam papel de qualidade em excrementos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s