Fechando com muro de ferro

Artigo publicado na Gazeta do Povo de Curitiba, seção Opinião, coluna Flavio Quintela, em 9 de setembro de 2015.

Diz-se quando se termina algo muito bem, acima do esperado, que se fechou com chave de ouro. Por falta de exemplos na política brasileira, a opção que sobra é a do esporte: depois de cinco partidas de um futebol eletrizante e envolvente, a seleção de 1970 venceu a final com a Itália por 4 a 1, fechando com chave de ouro uma Copa do Mundo que permanece até hoje como a melhor já jogada pelo Brasil, mesmo para alguém de minha geração, que nem era nascido nessa época.

Quanto à chave ser de ouro, nenhuma novidade. Desde épocas muito antigas da história humana o ouro é sinônimo de nobreza, daquilo que não se mistura, do metal mais precioso. Por ser um metal “mole”, nunca foi e nem poderia ser usado para fins mais rudes e prosaicos, papel geralmente reservado ao ferro e sua evolução contemporânea, o aço. O fato é que ninguém quer fechar nada importante com chave de ferro – qualquer um tem uma chave de ferro em casa. Até a tapera mais simples e o carro mais enferrujado abrem e fecham com chaves de ferro.

09092015-ILUSTRA-FlavioQuintela

Mas voltemos à política brasileira. Fechar um governo com chave de ouro seria pedir demais, pelo menos nos últimos 500 anos. Mas nossa capacidade de superação inversa, ou seja, aquele talento de conseguir piorar o que já é ruim, atingiu seu ápice no atual governo, do qual se pode finalmente dizer: acabou. Ainda não é possível saber se Dilma terminará ou não seu segundo mandato, mas os últimos seis meses de notícias ruins ininterruptas, de recrudescimento da crise econômica e de recordes negativos quase diários só precisavam de um evento simbólico para marcar o dia a ser colocado na lápide petista.

O dia da Independência deste ano ganhou ares de ditadura africana com a adoção de tapumes metálicos altos para impedir que o tradicional desfile de Brasília – que existe para ser visto – fosse visto pelo povo. O obstáculo à visão do populacho teve um objetivo claro, o de restringir o evento apenas aos que se assentariam nas arquibancadas, garantindo assim um público bem adestrado com cargos públicos, mortadela e propina. O raciocínio, se é que essa palavra cabe à nossa confusa presidente, é que manifestação popular boa é aplauso; o resto se combate ou se evita. Melhor mesmo é garantir a diversão e o aplauso dos 7% no 7 de Setembro, e aproveitar esta coincidência numérica cabalística que não deve se repetir, a continuar a queda de aprovação popular em pesquisas futuras.

Mas, como tudo na vida tem um lado bom, essa atitude quase norte-coreana marcou o tão esperado fim do governo Dilma. Se faltava um símbolo para o seu extraordinário fracasso, nada melhor que o reconhecimento público de que não há mais evento, lugar, palanque ou aparição segura para a presidente, e que as vaias a seguem mais de perto do que o serviço secreto tupiniquim. O governo que não governa não tem mais legitimidade nem mesmo para não governar. A imagem que vem à mente é a de um grande navio sem comando, em que a tripulação procura roubar tudo o que pode dos passageiros para naufragar com mais anéis nos dedos, ainda que lhes falte o mindinho.

Seja daqui a alguns meses ou no início de 2018; seja por impeachment, por impugnação eleitoral ou por uma simples derrota nas urnas; seja eternizada nos livros de história como a pior presidente que já repousou as nádegas no Planalto ou a primeira presidente mulher a ir em cana na história deste país, Dilma Rousseff poderá dizer, sem pestanejar: fechei com muros de ferro.

Flavio Quintela é escritor, jornalista e tradutor. É autor dos livros “Mentiram (e muito) para mim” e Mentiram para mim sobre o desarmamento”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s