Eduardo Campos é uma opção viável?

eduardo-e-lulaTenho sido perguntado frequentemente sobre os candidatos à presidência em conversas pelo Facebook e em entrevistas e hangouts. Geralmente me perguntam se já tenho candidato, mas o que mais ouço (ou leio) é: Eduardo Campos ou Aécio Neves? Afinal, muita gente não simpatiza com o tucano, outros odeiam tucanos em geral, e por isso buscam em Eduardo uma opção para evitar uma nova vitória de Dilma Rousseff. Mas afinal de contas, Eduardo Campos é uma opção viável?

Minha resposta: não.

Vamos começar analisando o partido de Eduardo Campos, o PSB. O Partido Socialista Brasileiro é membro fundador do Foro de São Paulo e aliado de longa data do PT. Para quem não conhece o Foro de São Paulo, segue trecho do meu livro, Mentiram (e muito) para mim, sobre o assunto:

Foi em julho de 1990 que aconteceu a primeira reunião do Foro de São Paulo, com a participação maciça dos partidos de esquerda brasileiros e de outros países latino-americanos, com o objetivo declarado de implantar governos socialistas nos países da América Latina, agindo de forma ordenada e com uma estratégia centralizada no estabelecimento de metas e ações para o atingimento das mesmas em todo o continente.

Para combater um projeto de poder como esse, onde até o momento o PT agiu como cabeça e principal força política, chega a ser ingênuo acreditar que a candidatura de um outro partido do mesmo grupo possa mudar os rumos bolivarianos que o Brasil tem tomado sob o governo petista, que em última análise é um governo “Forista”. Veja mais um trecho de meu livro, onde analiso a mudança de polarização partidária que vem sendo engendrada:

Com a ascensão de Eduardo Campos ao status de político competente e querido pelo empresariado brasileiro foi iniciado o processo de destruição da polarização PT-PSDB para dar lugar a uma nova polarização, PT-PSB. A estratégia é clara e óbvia: a polarização de poder entre um partido do Foro (PT) e um que não pertence ao Foro (PSDB) traz a incômoda possibilidade de uma derrota no pleito de 2014 e conseqüente perda do poder por um mínimo de quatro anos. Ao elevar o PSB, que sempre foi aliado do PT e membro fundador do Foro, ao status de poder político polarizador, o Foro de São Paulo garante que, independentemente de quem sairá vencedor nas urnas, o país continuará sob suas rédeas.

Para que fique ainda mais claro invoco a entrevista do governador petista Jacques Wagner à revista Veja, nas páginas amarelas, em maio de 2013:

É possível fazer alternância por dentro do projeto ou por fora. Eduardo pode ser essa alternativa por dentro em 2018: o grupo se mantém na Presidência, mas com outro nome, outro partido. É melhor entregar para um aliado do que perder para um adversário ou para um ex-aliado.

Ou seja, se Eduardo em 2018 é a alternativa por dentro, subentende-se que Eduardo em 2014 seja a alternativa por fora. Mas andemos. Que tal analisarmos a influência familiar de Eduardo Campos? Ele é neto de ninguém menos que Miguel Arraes, defensor notório do socialismo e do comunismo, aliado político de Lula e político de influência marcante no Nordeste e, posteriormente, em nível nacional, como cacique do PSB. Com a vitória de Lula em 2002, o PSB ganhou o direito de indicar cargos, e Arraes conseguiu colocar seu neto como Ministro da Ciência e Tecnologia, o mais jovem entre os ministros do primeiro mandato de Lula. O plano para elevar Eduardo a político de envergadura nacional continuou com sua indicação para a Presidência do PSB, em cuja posse foi aplaudido de pé por Lula e por seu vice na época, José Alencar. Em 2006 Eduardo concorreu ao governo do estado de Pernambuco, e recebeu o apoio de Lula, mesmo tendo o PT um candidato ao cargo (Humberto Costa). Foi eleito e depois reeleito em 2010, também com o apoio declarado de Lula.

Falemos agora de sua vice na chapa, Marina Silva. A companheira de Eduardo construiu sua carreira política no PT, trocando de partido apenas em 2009, quando foi para o PV e se candidatou à presidência. Ao receber a notícia do insucesso do registro de seu novo partido, chamado de Rede Sustentabilidade, apressou-se em se filiar ao PSB de Campos para viabilizar sua participação no pleito presidencial. Marina possui uma imagem de honesta, além de se declarar socialista e cristã ao mesmo tempo (uma incoerência cuja refutação o leitor poderá também encontrar em meu livro). Mas suas posições não são nada moderadas – ela defende um estado ainda mais à esquerda do que Eduardo e, por isso, em vez de agir como agente de equilíbrio na candidatura, trazendo-a mais ao centro, ela é para mim a confirmação de que essa candidatura tem um pé no socialismo e o outro também. Tanto é que será um candidatura de chapa pura, 100% PSB.

Resumindo, temos um candidato que sempre foi apoiado por Lula (e sempre retribuiu tal apoio), que é presidente de um partido socialista e membro fundador do Foro de SP, neto de um notório comunista, e com uma vice de passagem longa pelo PT. Será que é só na minha cabeça que esses fatos soam como perigosos? Não basta termos acompanhado a ascensão de uma pessoa totalmente incompetente e despreparada ao cargo mais importante da nação, na base da propaganda enganosa e do esforço pessoal de Lula? Não tenho dúvida que Eduardo Campos é um político mais bem preparado e mais competente do que Dilma Rousseff, mas isso não tira o fato de que sua carreira tem sido construída com total colaboração do PT, e que esse tal “rompimento” que o tem levado a criticar o atual governo tem grandes chances de ser apenas uma teatralização política para descolar sua imagem da presidente mais inapta que o país já teve em sua história.

Costuma-se dizer que, diante de duas explicações para um fenômeno, a mais simples é a que tem mais chances de ser verdadeira. Conhecendo a história de conchavos e oportunismos da política brasileira, o que é mais provável? que Eduardo Campos tenha rompido com o PT para buscar uma candidatura independente e que vai mudar o Brasil, ou que ele esteja cumprindo seu papel de “plano B” diante de uma presidente que, por sua própria inaptidão, coloca em risco sua reeleição?

Em tempo, não sou PSDBista. Aliás, se o Brasil está nas mãos do PT hoje é em grande parte por culpa do PSDB, que sabotou a candidatura de Alckmin em 2006, deixando que Lula se reelegesse em meio ao escândalo do mensalão somente para que os egos gigantescos de seus caciques não fossem atingidos. Mas diante das candidaturas que nos estarão disponíveis nas urnas, meu voto será para o Aécio. Mesmo com todas as suas esquerdices e idiotices, o PSDB tem mostrado um cuidado com a manutenção das instituições democráticas, ao contrário do PT, que tem feito de tudo para derrubá-las. Num país que não tem partidos nem candidatos de direita, acabo tendo que apelar para o velho ditado: dos males, o menor.

 

Flavio Quintela é autor de Mentiram (e muito) para mim

8 comentários sobre “Eduardo Campos é uma opção viável?

  1. Grande Flávio! Muito bom o post. Quero parabenizá-lo pelo “Tomou a pílula vermelha, já era!”, que li somente hoje no blog. É amigo, a consciência é o caminho mais curto para a solidão. Você tem toda a razão, mas o melhor é que esta solidão está sendo compartilhada por cada vez mais pessoas, que comungam dos mesmos ideais e da mesma consciência. Continue nos brindando com seus posts e, quiçá, mais livros. Boa sorte aí nos USA!

  2. Dois negões tentarão estuprar o sujeito magricelo, branquelo, violoncelo (para rimar). Um com 25 cm; outro com 24 cm. Dos males o menor ou são ambos estupro e é melhor lutar até a morte ou correr?

  3. […] Flavio Quintela é o escritor do aclamado “Mentiram (e muito) para mim”, que é um dos livros que tenho no meu backlog de leitura. Em post em seu Blog, o escritor trata de assunto que tem enganado muitas pessoas, que veem, inocentemente, a opção Eduardo Campos (e Marina Silva, por extensão) como algo viável, para tirar o PT do governo. Mas do que adiantar tirar um partido do governo se tudo aquilo por trás, o Foro de São Paulo, ainda teria as rédeas em mãos? Absolutamente nada. E Flavio aponta isto de forma contundente e clara aqui! […]

  4. Certíssimo, quem fica colocando tudo como igual e querendo ser purista vai nos colocar frente a frente com uma ditadura. Está na hora de ficar com quem, ainda, respeita a democracia, mesmo tendo idéia esquerdista. Uma pequena estoria: em 1994, acho que foi, para o governo de SP tínhamos dois candidatos Fleury e Maluf, duas grendes merdas. Votei no Fleury, fez um governo de merda, mas o Maluf eu o tinha combatido desde 1980. Um amigo meu votou nulo para não por a mão na merda, achando que não tinha nenhum compromisso com o eleito. Bull shit, cara palida, não é pq você não votou que você não tem compromisso. Quem anula o voto está dizendo que tanto faz quem ganha. Se é isto, fiquem tranquilos pois, tanto faz o plano Foro SP como Aécio, estando num partido esquerdista. Se esta mentalidade prosperar, choraremos muito.
    Reclamação: você está escrevendo pouco. Conheci-o a pouco tempo mas gostei dos seus artigos. Pelo menos 2 vz por semana,um artigo.
    Abraços.

  5. Sendo a política a arte do possível, temos que ir mesmo pela mer… que fede um pouco menos. E esta não é, definitivamente, Eduardo Campos. Brilhantemente apresentado, Flavio.

  6. A conspiração de se manter no poder,pela esquerda, chama a isso de justiçamento! Eduardo Campos iria atrapalhar o transforme da URSAL – União Socialista da América Latina,criada por Lula,FHC e Fidel Castro.Lastreadas pelo Foro de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s